Bresser Pereira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Luiz Carlos Bresser Pereira

Luiz Carlos Bresser Gonçalves Pereira (São Paulo, 30 de junho de 1934) conhecido como Luiz Carlos Bresser-Pereira é um advogado, administrador de empresas, economista e cientista político.

Foi ministro da Fazenda do Brasil de 29 de abril de 1987 a 21 de dezembro do mesmo ano, durante o governo José Sarney. Foi ministro da Administração Federal, em substituição ao general-de-brigada Romildo Canhim, e ministro de Reforma do Estado em todo o 1° mandato presidencial de Fernando Henrique Cardoso (19951998) e ministro da Ciência e Tecnologia nos 6 meses iniciais do 2° mandato, permanecendo nesse cargo até 19 de julho de 1999.

Cursou a Faculdade de Direito da USP, é mestre em Administração de Empresas pela Michigan State University, doutor e livre docente em Economia pela USP. Ensinando na Fundação Getulio Vargas de São Paulo desde 1959, foi seu 1° professor a receber o título de professor emérito, em 2005. É presidente do Centro de Economia Política e editor da Revista de Economia Política desde 1981 quando a fundou. Lecionou, em nível de pós-graduação, Desenvolvimento Econômico na Universidade de Paris I (Panthéon-Sorbonne), e Teoria Política no Departamento de Ciência Política da USP, e desde 2003 ministra curso de um mês na École des Hautes Études en Sciences Sociales de Paris.

Foi visitante do Instituto de Estudos Avançados da USP, e duas vezes do Centro de Estudos Brasileiros da Universidade de Oxford (Nuffield College e St. Anthony’s College).

Na administração pública, além dos cargos citados acima, foi presidente do Banco do Estado de São Paulo (1983-85) e secretário de Governo do estado de São Paulo (1985-87) na gestão Franco Montoro. Foi ainda presidente do Clad (Consejo Latinoamericano de Administración para el Desarrollo) (1995-97) e presidente do seu Conselho Científico (1998-2005).

Em 1988, fui um dos fundadores do PSDB. Em 2011 declarou-se desligado do partido, que, segundo ele, caminhou de forma definitiva para a direita ideológica: "Na época da fundação, o Montoro não queria o nome de social-democracia para o partido, porque Montoro tinha origem na democracia cristã, que a vida inteira tinha lutado contra os social-democratas na Inglaterra, na Alemanha e na Itália. Nós ganhamos, pelo fato de sermos centro-esquerda. Mas aí ele dizia: 'Muito bem, mas e se esse bendito PT, que se diz revolucionário, que tem propostas para a economia brasileira completamente irresponsáveis, chega no poder ou perto do poder e se domestica, e se torna social-democrata, como aconteceu na Europa? Eles têm toda uma integração com os trabalhadores sindicalizados, que nós não temos, então nós vamos ser empurrados para a direita'. E foi isso que aconteceu."1

É membro do conselho diretor do CEBRAP, de cuja fundação participou em 1970, do conselho consultivo do Grupo Pão de Açúcar, do qual foi diretor administrativo entre 1965 e 1983, do conselho de administração da Le Lis Blanc desde 2008 e patrono da Associação Keynesiana Brasileira desde sua fundação, em abril de 2008.

Seu 1° livro, Desenvolvimento e Crise no Brasil, lançado em 1968, teve a 5ª edição publicada atualizada em 2003. Vários dos seus livros foram traduzidos para o inglês, o espanhol e o francês.

Principais trabalhos publicadoseditar | editar código-fonte

  • Desenvolvimento e Crise no Brasil (1968)
  • As Revoluções Utópicas (1972)
  • Estado e Subdesenvolvimento Industrializado (1977)
  • A Sociedade Estatal e a Tecnoburocracia (1981)
  • Inflação e Recessão, com Yoshiaki Nakano (1984)
  • Lucro, Acumulação e Crise (1986)
  • A Crise do Estado (1992)
  • Economic Reforms in New Democracies, com Adam Przeworski e José Maria Maravall (1993)
  • Reforma do Estado para a Cidadania (1998)
  • Democracy and Public Management Reform (2004).
  • Macroeconomia da Estagnação (2007).
  • Construindo o Estado Republicano (2009)
  • Mondialisation et Compétition (2009)

Referências

  1. Bresser-Pereira deixa o PSDB - Por uma ideia de nação. Entrevista de Bresser Pereira a Maria Inês Nassif. Originalmente publicada em Valor Econômico, 8 de abril de 2011.

Ligações externaseditar | editar código-fonte


Precedido por
Dilson Funaro
Ministro da Fazenda do Brasil
1987
Sucedido por
Maílson da Nóbrega







Creative Commons License