Centro-direita

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A centro-direita também conhecida como direita moderada, dentro do conceito da existência de uma Esquerda e Direita (política), descreve aderência a visões apoiando-se na direita mas ao mesmo tempo próxima ao centro no espectro político de esquerda e direita que em outras variantes de direita.

Dos anos 1830 aos anos 1880, houve uma mudança no mundo ocidental da estrutura de classes sociais e na economia, afastando-se da nobreza e do mercantilismo, e aproximando-se da burguesia e do capitalismo.1 Essa mudança econômica geral em direção ao capitalismo afetou os movimentos de centro-direita como o Partido Conservador Britânico que respondeu tornando-se favorável ao capitalismo.2 A União Internacional Democrata, uma aliança de partidos políticos de centro-direita, incluindo o Partido Conservador Britânico, o Partido Republicano dos Estados Unidos, o Partido Liberal Democrático do Japão, partidos de democracia cristã, entre outros ao redor do mundo, é comprometida aos princípios que "as sociedades democráticas provém de indivíduos por todo o mundo com as melhores condições para liberdade política, liberdades civis, igualdade de oportunidade e desenvolvimento econômico sob o estado de direito; e portanto sendo comprometida aos avanços políticos e sociais em que sociedades democráticas são encontradas, incluindo as liberdades civis básicas e direitos humanos, como definido na Declaração Universal dos Direitos Humanos; em particular, o direito a liberdade de expressão, organização, reunião e desacordo não-violento; o direito a eleições diretas e a liberdade de organizar oposição parlamentar efetiva ao governo; o direito a uma mídia livre e independente; o direito a uma crença religiosa, igualdade diante da lei; e oportunidade individual e prosperidade".3

Históriaeditar | editar código-fonte

Da Revolução Francesa à Segunda Guerra Mundialeditar | editar código-fonte

A inspiração proeminente da centro-direita, especialmente na Grã-Bretanha, foi o tradicionalismo de Edmund Burke.4 O conservadorismo tradicional de Burke foi mais moderado que o conservadorismo continental desenvolvida por Joseph De Maistre na França, que sobre a experiência da Revolução Francesa completamente denunciada ao status que existiu imediatamente precedente a revolução (ao contrário de Burke) e de Maistre procurou uma contra-revolução reacionário que poderia desmantelar toda a sociedade moderna e retornar a uma sociedade estritamente baseada na religião.5 Enquanto Burke condenou a Revolução Francesa, ele apoiou a Revolução Americana que ele viu sendo uma revolução conservadora.6 Burke clamou aos americanos revoltados pela mesma razão que os ingleses durante a Revolução Gloriosa, em ambos os casos a monarquia tinha ultrapassado as fronteiras de seus deveres.7 Burke clamou que a Revolução Americana foi justificada porque o rei Jorge III ultrapassou seus direitos habituais impondo taxas aos colonos americanos sem seu consentimento.8 Burke se opôs a Revolução Francesa por ele se opôs a suas ideias antitradicionalistas e seu uso de ideias abstratas, como a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão e seu igualitarismo universal que Burke repreendeu reclamando que ele efetivamente endorsou "cabeleireiros" sendo ágeis para serem políticos.8

Na Grã-Bretanha, o movimento conservador tradicionalista foi representado pelo Partido Conservador Britânico.9 O primeiro-ministro conservador do Reino Unido Benjamin Disraeli procurou endereçar os problemas sociais afetando a classe trabalhadora devido a falta de assistência da economia laissez-faire, e formou seu conservadorismo de nação única que reclamou a falta de assistência às classes mais baixas que tinham dividido a sociedade britânica em duas nações - a rica e a pobre como resultado de iniciativa privada descontrolada, ele reclamou que ele procurou a quebra.10 Disraeli viu que ele apoiou uma nação britânica unida enquanto apresentando aos outros partidos representando a classe alta ou baixa.9 Disraeli foi hostil ao livre comércio e preferiu ao paternalismo aristocrático bem como promovendo o imperialismo.9 Contudo, com o renascimento do movimento socialista, com a origem do Partido Trabalhista, e o fim do Partido Liberal, o Partido Conservador mudou para se tornar um apoiador do capitalismo e um oponente do socialismo, enquanto que a defesa do capitalismo foi promovida dentro dos princípios do conservadorismo tradicional.9

Outro movimento de centro-direita que surgiu na França em resposta a Revolução Francesa, foi o início do movimento de democracia cristã, onde católicos conservadores moderados aceitaram os elementos democráticos da Revolução Francesa.10 O primeiro partido de democracia cristã foi fundado na Itália em 1919 por Luigi Sturzo, que foi reprimido pelo regime fascista italiano e foi forçado ao exílio na França.10 Sturzo na França fundou um movimento internacional que apoiou a criação de um mercado comum europeu e a integração europeia para impedir a guerra, entre estes que atenderam ao grupo incluíram o futuro chanceller alemão Konrad Adenauer, Alcide de Gasperi, e Robert Schuman.10

Pós-Segunda Guerra Mundialeditar | editar código-fonte

Na Europa pós-Segunda Guerra Mundial, os partidos democrata-cristãos de centro-direita surgiram como poderosos movimentos políticos enquanto os movimentos tradicionais católicos reacionários autoritários na Europa diminuíram subitamente.10 Os movimentos democrata-cristãos tornaram-se maiores na Áustria, na Bélgica, nos Países Baixos, em Luxemburgo, Alemanha, e Itália.10

O neoliberalismo surgiu como uma teoria econômica elaborada por Milton Friedman que condenou o intervencionismo na economia que foi associado com o socialismo e o coletivismo.11 Neoliberais rejeitaram a economia keynesiana que eles afirmaram dar também muito ênfase no desemprego revezado em a resposta à sua observação da Grande Depressão, os neoliberais identificaram o problema real como sendo a inflação e defenderam a política do monetarismo para negociar com a inflação.12 A economia neoliberal foi endorsada pela primeira-ministra conservadora Margaret Thatcher que adaptou ela como parte de um conservadorismo de livre mercado próximo ao desenvolvimento conservador americano, enquanto o tradicional conservadorismo tornou-se menos influente dentro do Partido Conservador Britânico.13 Contudo o Partido Conservador Britânico ainda toma uma grande base conservadora tradicional, particularmente o conservador Grupo Cornerstone. Thatcher publicamente suportou políticos de centro-direita e apoiou eles espalhados na Europa Oriental depois do fim dos regimes marxista-leninistas no final dos anos 1980 e início dos anos 1990.14 Depois do colapso do comunismo na Europa Oriental, uma variedade de partidos políticos de centro-direita emergiram ali, incluindo muitos que suportam o neoliberalismo.15

Partidos de centro-direitaeditar | editar código-fonte

América do Norteeditar | editar código-fonte
América do Suleditar | editar código-fonte
Ásiaeditar | editar código-fonte
Europaeditar | editar código-fonte
Oceaniaeditar | editar código-fonte

Correnteseditar | editar código-fonte

Ver tambémeditar | editar código-fonte

Referências

  1. Alan S. Kahan. Mind Vs. Money: The War Between Intellectuals and Capitalism. New Brunsiwck, New Jersey: Transaction Publishers, 2010. p. 88.
  2. Ian Adams. Political Ideology Today. Manchester, England, UK; New York, New York, USA: Manchester University Press, 2001. p. 57.
  3. União Internacional Democrata. (History: http://www.idu.org/history.aspx. Founders: http://www.idu.org/founder.aspx. Declaration of Principles: http://www.idu.org/principle.aspx.) Página acessada em 22 de junho de 2012.
  4. The Nature of the right: American and European politics and political thought since 1789. Twayne Publishers, 1990. p. 66. "Burke foi visto como o pai do conservadorismo britânico moderno, que serve como o melhor exemplo da tradição da direita moderada".
  5. Bert N. Adams, Rosalind Ann Sydie, R. A. Sydie. Sociological Theory. Pine Forge Press, 2001. p. 25-26.
  6. David H. Close, Carl Bridge. Revolution: A History of the Idea. p. 81.
  7. David H. Close, Carl Bridge. Revolution: A History of the Idea. Kent, England, UK; Sydney, New South Wales, Australia: Croom Helm Ltd., 1985. p. 81.
  8. a b David H. Close, Carl Bridge. Revolution: A History of the Idea. Kent, England, UK; Sydney, New South Wales, Australia: Croom Helm Ltd., 1985. p. 81.
  9. a b c d Ian Adams. Political Ideology Today. Manchester, England, UK; New York, New York, USA: Manchester University Press, 2001. p. 57.
  10. a b c d e f Ian Adams. Political Ideology Today. Manchester, England, UK; New York, New York, USA: Manchester University Press, 2001. p. 59.
  11. Ian Adams. Political Ideology Today. Manchester, England, UK; New York, New York, USA: Manchester University Press, 2001. p. 206.
  12. Ian Adams. Political Ideology Today. Manchester, England, UK; New York, New York, USA: Manchester University Press, 2001. p. 207.
  13. Ian Adams. Political Ideology Today. Manchester, England, UK; New York, New York, USA: Manchester University Press, 2001. p. 58.
  14. Eric J. Evans. Thatcher and Thatcherism. London, England, UK; New York, New York, USA: Routledge, 1997. Pp. 107. (Thatcher elogiou o partido vencedor das eleições húngaras de 1990 como o que ela chamou de um "governo de centro-direita realmente genuíno".)
  15. Aleks Szczerbiak, Seán Hanley. Centre-Right Parties In Post-Communist East-Central Europe. Oxon, England, UK; New York, New York, USA: Routledge, 2006. p. 37.







Creative Commons License