Charlton Heston

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Charlton Heston
Heston em 1953
Nome completo John Charles Carter
Nascimento 4 de Outubro de 1923
Evanston, Estados Unidos
Morte 5 de abril de 2008 (84 anos)
Beverly Hills, Estados Unidos
Ocupação Ator
Cônjuge Lydia Clarke (1944 - 2008)
Oscares da Academia
Melhor Ator
1959 - Ben-Hur
Prémio humanitário Jean Hersholt
1978 - Por Contribuições com Programas Humanitários
Prêmios Globo de Ouro
Prémio Cecil B. DeMille
1967 - Pelo Conjunto da Obra
Prémios Screen Actors Guild
Life Achievement Award
1972 - Pelo Conjunto da Obra
IMDb: (inglês) (português)

Charlton Heston, nome artístico de John Charles Carter, (Evanston, Illinois 1 2 , 4 de outubro de 1923Beverly Hills, 5 de abril de 2008) foi um ator norte-americano notabilizado no cinema por papéis heróicos em superproduções da época de ouro de Hollywood, como Moisés de Os Dez Mandamentos, Judah Ben-Hur de Ben-Hur, o lendário cavaleiro espanhol El Cid no filme homônimo e Robert Neville em A Última Esperança da Terra.

Nascido no estado de Illinois, viu seus pais se divorciarem quando tinha dez anos; com o segundo casamento de sua mãe com Chester Heston, a família se mudou para um subúrbio de Chicago e ele adotou o nome do padrasto. Na escola secundária, Charlton se envolveu com a cadeira de artes dramáticas e teve um resultado tão bom que recebeu uma bolsa em drama para cursar a universidade.

Em 1944 deixou os estudos e se alistou na força aérea do exército, onde serviu como operador de rádio de bombardeiros B-25 nas Ilhas Aleutas durante a Segunda Guerra Mundial. Atingiu a patente de sargento, e se casou com uma colega de faculdade.

Após a guerra, o casal voltou para Nova Iorque onde ele iniciou uma carreira de ator em teatro e começou a aparecer em papéis históricos como Macbeth e Marco Antônio & Cleópatra. Já usando o prenome de Charlton, ele fez seu primeiro papel no cinema em Dark City, em 1950, recebendo reconhecimento por sua atuação e chamando a atenção para seu porte.

Morreu em 5 de Abril de 20083 4 5 em sua residência de Beverly Hills, em Los Angeles, aos 84 anos. Sofria desde 2002 de uma doença degenerativa com sintomas similares aos do Mal de Alzheimer. Encontra-se sepultado no Saint Matthew's Episcopal Church Columbarium, Pacific Palisades, Condado de Los Angeles, Califórnia nos Estados Unidos.6

Cinemaeditar | editar código-fonte

Em 1952, o filme O Maior Espetáculo da Terra, superprodução de Cecil B. DeMille ambientada no mundo do circo, transformou Heston numa estrela de primeira grandeza do cinema. A partir dali, seu porte ereto, sua altura e o perfil musculoso, lhe dariam os papéis mais simbólicos nas superproduções dos anos 50 do cinema norte-americano.

Charlton Heston como Moisés em Os Dez Mandamentos, 1956.

Os Dez Mandamentos, de 1956, marcou sua imagem como Moisés e a partir dele todos os grandes papéis heróicos e históricos encontraram Heston para representá-los. Nos anos 50 e 60, ele filmou sucessos como 55 Dias em Pequim, El Cid, Agonia e Êxtase e Ben Hur, entre outros, recebendo o Oscar de melhor ator pelo último, um dos onze recebidos pelo filme, que se manteve solitariamente como o mais premiado pela Academia em todos os tempos até ser igualado em 1997 por Titanic e em 2003 por O Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei.

Heston em Ben Hur.

Em 1958, num trabalho diferente dos papéis históricos pelo qual ficaria marcado, fez um dos mais elogiados filmes de Orson Welles, A Marca da Maldade, mostrando sua capacidade de trabalhos mais artísticos em filmes menores.

A virada dos anos 60 para os 70 veria os últimos sucessos de público, e alguns de crítica, de Heston, já então um quase um cinquentão e com a imagem ligada aos anos 50, numa época em que a contracultura e uma nova linguagem tomavam conta do cinema, trazendo com ela atores mais jovens para os principais filmes como Warren Beatty, Dustin Hoffman e Robert Redford. Filmes de ficção científica e de grandes desastres, então em moda no cinema, ainda mantiveram Heston junto do topo nesta época: O Planeta dos Macacos (1968), A Última Esperança da Terra (1971), No Mundo de 2020 (1972) e Terremoto (1974).

A partir daí os grandes papéis começaram a escassear e Heston passou a trabalhar em papéis coadjuvante/secundários e pequenas aparições. Sua imensa popularidade nos Estados Unidos porém não diminuiu, e ele fez diversos papéis nos anos seguintes em filmes para tv e atuou em diversos filmes como narrador, sendo uma das vozes mais requisitadas do cinema. Em 2001, fez sua mais notada participação em muitos anos, na refilmagem de O Planeta dos Macacos, de Tim Burton, como um velho macaco pai do vilão do novo filme.

Políticaeditar | editar código-fonte

No passado Charlton Heston era um liberal democrata e fazia campanhas para candidatos à presidência como Adlai Stevenson e John Kennedy. Ativista pelos direitos civis aos negros, ele acompanhou Martin Luther King durante a Marcha pelos direitos civis a Washington, em 1963, chegando a usar uma faixa onde se lia “Todos os homens nascem iguais”.

Em 1968, após o assassinato do senador Robert Kennedy, ele apareceu num programa da tv americana junto com Gregory Peck e Kirk Douglas pedindo apoio para o presidente Lyndon Johnson e sua tentativa de aprovar no Congresso o Ato a favor do controle de armas nos Estados Unidos. Anos mais tarde diria que nesta ocasião era jovem e tinha sido bobo e tolo.

Heston também ficou conhecido com um oponente do macartismo e da segregação racial nos Estados Unidos, que, segundo ele, apenas ajudavam a causa do comunismo mundial, além de ter sido um grande crítico de Richard Nixon, que considerava um desastre.

Entretanto, a partir dos anos 80, Heston passou a ostentar posições mais conservadoras, trocando seu registro eleitoral do Partido Democrata para o Partido Republicano, apoiando o direito às armas de fogo e fazendo campanha para Ronald Reagan e os dois presidentes Bush.

Em 1998 se tornou presidente da National Rifle Association (NRA), a poderosa entidade civil que luta para que seja mantido o direito do cidadão de comprar e portar armas de fogo nos Estados Unidos e da qual era membro honorário vitalício. Como seu porta-voz entre 1998 e 2003, ficou conhecido no país por fazer discursos radicais contra a extinção da segunda emenda da constituição que dá este direito aos cidadãos há mais de duzentos anos, além de se posicionar publicamente contra o aborto, legal nos Estados Unidos.

Filmografiaeditar | editar código-fonte

Curtaseditar | editar código-fonte

Referências

  1. Film Reference Biography (em inglês). Filmreference.com. Página visitada em 14 de novembro de 2011.
  2. A maioria das fontes cita Evanston, Illinois, como lugar de nascimento.Werling, Karen (16 de abril de 2008). Appreciation: Charlton Heston’s life as a Wildcat (em inglês). North by Northwestern. Northbynorthwestern.com. Página visitada em 18 de março de 2010.
  3. Post Chronicle (6 de abril de 2008). Actor Charlton Heston Dies: Moses, Ben-Hur and Taylor Passes On (em inglês). Postchronicle.com. Página visitada em 6 de abril de 2008.
  4. Charlson Heston dead at 84 (em inglês). MSNBC. Msnbc.msn.com.
  5. Date confirmed through 1930 US Census (em inglês). Ancestry.com.
  6. Charlton Heston (em inglês) no Find a Grave.

Ligações externaseditar | editar código-fonte

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Charlton Heston
Commons
O Commons possui multimídias sobre Charlton Heston









Creative Commons License