Divisão da Coreia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
A península coreana, em primeiro lugar dividida ao longo do paralelo 38, que mais tarde ao longo da linha de demarcação

A divisão da Coreia em Coreia do Norte e Coreia do Sul resulta da vitória dos Aliados na II Guerra Mundial de 1945, terminando o domínio colonial de 35 anos do Japão na Coreia. Em uma proposta que obteve a oposição de quase todos os coreanos, os Estados Unidos e a União Soviética concordaram em ocupar temporariamente o país com uma tutela com a zona demarcada de controle ao longo do paralelo 38. O objetivo desta tutela foi o de estabelecer um governo coreano provisório, que viria a ser "livre e independente no devido tempo." Embora as eleições fossem agendadas, as duas superpotências apoiaram líderes diferentes e dois estados foram estabelecidos de forma eficaz, cada qual reclama a soberania sobre toda a península coreana.

A Guerra da Coreia (1950-1953) deixou as duas Coreias, separadas pela Zona Desmilitarizada Coreana, mantendo-se tecnicamente em guerra durante a Guerra Fria até os dias atuais. A Coreia do Norte é um Estado comunista, muitas vezes descrito como stalinista e isolacionista. Sua economia inicialmente teve um crescimento substancial, mas entrou em colapso na década de 1990, ao contrário do seu vizinho comunista a China. A Coreia do Sul surgiu, após décadas de regime autoritário, como uma democracia liberal capitalista, com uma das maiores economias do mundo.

Desde a década de 1990, os sul-coreanos com administrações progressivamente liberais, assim como a morte do fundador norte-coreano Kim Il-sung, os dois lados deram pequenos passos no sentido simbólico de uma possível reunificação coreana.

Históriaeditar | editar código-fonte

A Coreia como parte do Império do Japão, em 1939.

Domínio japonês (1910-1945)editar | editar código-fonte

Com o fim da Guerra Russo-Japonesa em 1905, a Coreia tornou-se um protetorado por meio do Tratado de Eulsa e foi anexada oficialmente pelo Japão em 1910, com a assinatura do Tratado de Anexação Japão-Coreia.

Fim da Segunda Guerra Mundial (1939-1945)editar | editar código-fonte

Em novembro de 1943, Franklin Roosevelt, Winston Churchill e Chiang Kai-shek se reuniram na Conferência do Cairo para discutir o que deveria acontecer às colônias do Japão, e concordaram que este deveria perder todos os territórios que havia conquistado pela força. Na declaração após esta conferência, a Coreia foi mencionada pela primeira vez. Os três poderes declararam que "consciente da escravização do povo da Coreia [estamos] determinados que, em devido tempo, a Coreia se tornará livre e independente."

Para os nacionalistas coreanos que desejavam a independência imediata, a expressão "em devido tempo" foi motivo de desânimo. Roosevelt propôs ao líder da União Soviética, Joseph Stalin, de três a quatro anos decorridos antes da completa independência da Coreia; Stalin negou, dizendo que um curto período de tempo seria desejável. Em todo o caso, a discussão da Coreia entre os Aliados não seria retomada até que a vitória sobre o Japão fosse iminente.

Invasão soviética da Manchúriaeditar | editar código-fonte

Com o fim da guerra à vista em agosto de 1945, ainda não havia consenso sobre o destino da Coreia entre os líderes aliados. Muitos coreanos na península haviam feito os seus próprios planos para o futuro da Coreia, e alguns desses planos incluíam a re-ocupação da Coreia por forças estrangeiras. Após o bombardeio atômico de Hiroshima, em 6 de agosto de 1945, soldados soviéticos invadiram a Manchúria, conforme o acordo de Stalin com Harry Truman na Conferência de Potsdam.

No entanto, os líderes americanos temiam que toda a península pudesse ser ocupada pela União Soviética, e que isto poderia levar a uma ocupação soviética do Japão. As forças soviéticas chegaram primeiramente na Coréia, mas ocuparam apenas metade do norte, parando no Paralelo 38 N, após um acordo com os Estados Unidos.

Em 10 de agosto de 1945, dois jovens oficiais - Dean Rusk e Charles Bonesteel - foram designados para definir uma zona de ocupação norte-americana. Trabalhando em aviso extremamente curto e completamente despreparados, eles utilizaram um mapa da National Geographic para decidir sobre o paralelo 38. Eles escolheram este nome porque ele dividiu o país em aproximadamente a metade, mas deixaria a capital, Seul, sob o controle americano. Nenhum especialista sobre a Coreia foi consultado. Os dois homens não sabiam que nos 40 anos anteriores, Japão e Rússia haviam discutido a partilha da Coreia ao longo do mesmo paralelo. Rusk disse mais tarde que se soubesse, ele "quase certamente" teria escolhido uma linha diferente. Independentemente disso, a decisão foi escrita às pressas na "Ordem Geral Nº 1" para a administração do Japão pós-guerra.

O General Nobuyuki Abe, o último Governador da Coreia, de origem japonesa, havia estado em contato com um número de coreanos influentes desde o início de agosto de 1945, para preparar uma transferência de poder. Em 15 de agosto de 1945, Yuh Woon-Hyung, um político moderado de esquerda, concordou em assumir. Ele estava encarregado de preparar a criação de um novo país e trabalhou duro para construir as estruturas governamentais. Em 06 de setembro de 1945, um congresso de representantes foi convocado em Seul. A fundação de um Estado moderno coreano ocorreu apenas três semanas após a rendição japonesa. O governo foi predominantemente de esquerda; muitos daqueles que haviam resistido ao domínio japonês identificaram-se com as idéias do comunismo sobre o imperialismo e o colonialismo.

Referênciaseditar | editar código-fonte

  • Oberdorfer, Don. The Two Koreas : A Contemporary History. Addison-Wesley, 1997, 472 pages, ISBN 0-201-40927-5
  • Cumings, Bruce. The Origins of the Korean War: Liberation and the Emergence of Separate Regimes, 1945-1947. Princeton University Press, 1981, 607 pages, ISBN 0691093830







Creative Commons License