Documento Especial

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde Janeiro de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.


Documento Especial:Televisão Verdade
Informação geral
Formato
Gênero Reportagem
Duração 30 minutos
Estado Cancelada
Criador(es) Nelson Hoineff
País de origem  Brasil
Idioma original Português
Apresentador(es) Roberto Maya
Emissora de
televisão original
Manchete
SBT
Rede Bandeirantes
Canal Brasil
Transmissão original – 1998

Documento Especial: Televisão Verdade é um programa jornalístico brasileiro criado e produzido pelo jornalista Nelson Hoineff e exibido em três emissoras: na Rede Manchete (1989 a 1991), no SBT (1992 a 1995) e na Rede Bandeirantes (1997 e 1998).

Históriaeditar | editar código-fonte

O programa foi exibido pela primeira vez em 1989, na Rede Manchete, apresentado pelo ator Roberto Maya, que até então apresentava o Jornal da Manchete. Na direção, ficava Nelson Hoineff.

Com o subtítulo Televisão Verdade, consistia numa reportagem com cerca de 30 minutos sobre um assunto da atualidade, formato similar a de programas como o Globo Repórter, só que sem a assepsia que caracteriza(va) o jornalismo da Rede Globo. Vários assuntos "underground" eram apresentados pelo programa, que não economizava nas cenas fortes, tanto que, antes do programa, subiam letreiros (sob um fundo vermelho) desaconselhando crianças e pessoas sensíveis a assistir ao programa.

A primeira fase do Documento Especial, exibida na Manchete entre 1989 e 1991 marcou época com programas clássicos, como Os pobres vão à praia (com imagens de preconceito explícito e de um homem morto), Muito feminina (abordando a homossexualidade feminina), Luta livre, O suicídio dos indios Kaiowá, Amor, Vida de gordo (a maior audiência conquistada pelo programa, em 1990), Igreja Universal (a primeira vez em que práticas escusas da Igreja Universal do Reino de Deus eram denunciadas), entre outros.

O contrato com a Manchete termina em 1991, e a emissora passa a apresentar uma versão "genérica" do Documento: Documento Verdade, apresentado por Henrique Martins, também ator, e que possui voz e aparência semelhantes às de Roberto Maya.

Em 1992, Nelson Hoineff aceitou o convite de Sílvio Santos e trouxe o programa para o SBT, onde continuou abordando temas ditos "fortes", mas de maneira mais leve do que era feito na Manchete. São dessa época programas como A cultura do ódio (que renderam à equipe do programa processos por suposta apologia ao nazismo, além de terem sido acusados de apresentar depoimentos forjados de supostos neonazistas), programas "conceituais", como Saudade e Amor, e Vidas Secas, premiado internacionalmente. Hoineff se desentende com o SBT em 1995, acusando a emissora de censura a certos temas que eram apresentados no programa, queixa que já era antiga, uma vez que a matéria que marcaria a estréia do programa no SBT, O país da impunidade, só seria exibido quinze anos depois nas reprises do Canal Brasil.

O Documento fica fora do ar até novembro de 1997, quando volta a ser exibido na Rede Bandeirantes, durante pouco mais de dez meses, numa fase bem apagada, sem qualquer reportagem marcante.

Pela equipe do programa, passaram jornalistas hoje conhecidos do grande público, como André Rohde, hoje repórter da Rede Record, e Guilherme Fiúza, autor do livro Meu nome não é Johnny.

Desde janeiro de 2007, uma seleção com os melhores programas da série apresentados nas três emissoras vem sendo exibida no Canal Brasil, às 23h, todos as quintas.

Nos anos 2000, o programa humorístico Hermes e Renato (exibido pela MTV) exibia um quadro satirizando o Documento Especial, intitulado Documento Trololó. O nome completo do programa ("Documento Especial: Televisão Verdade") também era parodiado nas chamadas dos primeiros anos de outro humorístico, o Casseta e Planeta Urgente, da Rede Globo, que se autointitulava "humorismo verdade, jornalismo mentira".

Ícone de esboço Este artigo sobre Televisão no Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.







Creative Commons License