Dunquerque

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Dunquerque
Dunkerque
—  Comuna francesa França  —
A bandeira da cidade de Dunquerque, içada no Beffroi (campanário da igreja de Santo Elói)
A bandeira da cidade de Dunquerque, içada no Beffroi (campanário da igreja de Santo Elói)
Bandeira de Dunquerque
Bandeira
Brasão de armas de Dunquerque
Brasão de armas
Dunquerque está localizado em: França
Dunquerque
Localização de Dunquerque na França
51° 02' 18" N 2° 22' 39" E
País  França
Região Blason Nord-Pas-De-Calais.svg Norte-Passo de Calais
Departamento Blason Nord-Pas-De-Calais.svg Nord
Administração
 - Prefeito Michel Delebarre
Área
 - Total 43,89 km²
Altitude máxima 17 m (56 pés)
Altitude mínima 0 m (0 pés)
População (2010)1
 - Total 92 005
    • Densidade 2 096,3/km2 
Gentílico: Dunkerquois(es)
Código Postal 59140 - 59240 - 59640
Código INSEE 59183
Sítio http://www.ville-dunkerque.fr

Dunquerque (em francês Dunkerque; em neerlandês, Duinkerke; em flamengo ocidental Duynkercke)) é uma cidade portuária no norte de França, no departamento do Nord, região de Nord-Pas-de-Calais, situada a 10 km da fronteira com a Bélgica. Tem cerca de 70.000 habitantes.2 Está ligada por ferry-boat a Ramsgate e Dover, em Inglaterra.

Dunquerque é o terceiro maior porto francês, depois de Le Havre e Marselha. É também uma cidade industrial, dependente do aço, indústria alimentar, refinação de petróleo, estaleiros navais e indústria química.

Historicamente, a cidade e seus arredores pertenceram ao Condado de Flandres e fazem parte da zona linguística flamenga.

Em Dunquerque fala-se um dialeto muito particular - dunkerquois - com palavras tomadas de empréstimo à linguagem dos marinheiros e ao flamengo ocidental .

Históriaeditar | editar código-fonte

O nome de Dunquerque provém do neerlandês Duinkerk, que significa « igreja nas dunas».

Segundo a tradição, a cidade foi fortificada pelo filho de Pepino de Landen, o terrível Allowyn, um franco convertido por Santo Elói. Assim, Dunquerque foi a única cidade da costa, até Saint-Omer, a ser preservada contra os ataques e pilhagens dos normandos. Hoje em dia, Allowyn "reaparece" todos os anos como Reuze (reuze em flamengo significa "gigante"), para presidir a saída do tradicional bando dos pescadores, durante o carnaval de Dunkerque.

Em 960, Balduíno III, dito Balduíno o Jovem, quarto conde de Flandres, faz construir as primeiras muralhas da cidade.

Em 1383 a Dunkerque flamenga é pilhada pelos ingleses e depois, pelos franceses.

A partir do século XVI, Dunquerque passou a ser posessão - juntamente com o território dos Países Baixos espanhóis - dos Habsburgos espanhóis. Em 1520, Carlos V, 31° conde de Flandres, é recebido triunfalmente na cidade.

Dunquerque foi disputada em diferentes ocasiões pelas coroas de Inglaterra, Países Baixos e França. Durante a Guerra de Flandres (1568-1648) e no reinado de Luís XIV, serviu como base de operações de corsários, sendo Jan Bart o mais famoso deles - conhecido por atacar os barcos holandeses.

A cidade foi tomada pelos ingleses sob Filipe II da Espanha, conde de Flandres, e retomada pelos franceses em 1558. Pelo Tratado de Cateau-Cambraisis os franceses a cedem à Espanha em 1559.

Sitiada por Turenne, em 25 de maio de 1658, após a batalha das Dunas, a cidade se rende aos franceses, em 25 de junho. Na mesma noite, Luís XIV a entrega a Oliver Cromwell, segundo o acordado por Inglaterra e França pelo Tratado de Paris do ano anterior.

Dunquerque será definitivamente incorporada ao reino da França em 1662, depois que Carlos II da Inglaterra vende a cidade à França, por 5.000.000 libras - embora o pagamento nunca tenha sido completado.

A construção dos sistemas defensivos da cidade ficou a cargo do engenheiro militar Vauban, que também desenvolve o seu porto. Mais tarde, em 1713, pelo Tratado de Utrecht, a França será obrigada a inundar o porto e a arrasar as fortificações, o que entretanto não foi executado senão em parte, e Luís XV voltou a fortificá-la.

Em 1793, o duque de York tenta inutilmente tomar a cidade. Após a batalha de Hondschoote, a cidade é renomeada Duna Livre.

Durante a Primeira Guerra Mundial, Dunquerque é duramente bombardeada por diversas vezes. A Igreja de Santo Elói (construída em meados do século XV) é parcialmente destruída.

Mas a cidade sofreria especialmente durante a Segunda Guerra Mundial, tendo sido palco da célebre Batalha de Dunquerque, em 1940. Uma pausa na intensidade dos combates permitiu inesperadamente a evacuação de um grande número de soldados franceses e britânicos para Inglaterra. Mais de 300.000 homens foram evacuados apesar do bombardeamento constante ("o milagre de Dunquerque", nas palavras de Winston Churchill). A evacuação britânica de Dunquerque recebeu o nome de código Operação Dínamo.

Cidades gêmeaseditar | editar código-fonte

Flag of Brazil.svg Corumbá, Brasil

Flag of Brazil.svg Vitória, Brasil

Flag of Brazil.svg Santa Maria, Brasil

Referências

  1. Populations légales des communes en vigueur au 1er janvier 2013 (em francês). www.insee.fr. INSEE (dezembro de 2012). Página visitada em 3 de abril de 2013.
  2. INSEE
Localização de Dunquerque, no departamento do Nord, França.
Panorama de Dunquerque







Creative Commons License