Edifício

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde junho de 2009)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Ranking das cidades com maior número de edifícios (acima de 100 metros).1
3. Tókio,  Japão
3. Tókio,  Japão
5. Shangai,  China
5. Shangai,  China

Um edifício (ou popularmente prédio) é uma construção com a finalidade de abrigar atividades humanas. Cada edifício caracteriza-se pelo seu uso: habitacional, cultural, de serviços, industrial, entre outros.

Conceito de edificação: São construções de uma forma geral: casas, prédios, apartamentos, galpões, viadutos, igrejas, ginásios de esportes, fortes, aeroportos, torres de comando, farol sinalizador, posto de gasolina, usinas hidroelétricas, usinas nucleares, indústrias, estações de tratamento de água e etc. Enfim, é a forma genérica de se referir a qualquer das instalações / obras acima.

Todo edifício costuma ser considerado uma obra arquitetônica, apesar de alguns críticos afirmarem que ele apenas o é quando seu projeto possui certas intenções que vão além do simples raciocínio construtivo e incluem certas considerações estéticas, funcionais, sociais e culturais. No entanto há arquitetos, como Renzo Piano, que dizem não haver diferença entre obra arquitetônica e simples construção.

Normalmente se instituem, na maior parte dos países do mundo, marcos legais específicos sobre a atividade edilícia em seus territórios, atribuindo aos arquitetos a função de projetar e executar os edifícios. Eventualmente essa atribuição também é dada ou permitida aos engenheiros civis, o que pode causar alguma antipatia entre alguns profissionais. No Brasil, por exemplo, existe um consenso prático de que o projeto do edifício é de responsabilidade do arquiteto, enquanto sua construção é atribuição do engenheiro.

Quanto à regulação e à fiscalização da construção em si, em geral cabe aos municípios a definição da legislação de edificações e obras, bem como de instâncias que realizem tal papel. No Brasil, as prefeituras comumente promulgam um Códigos de Obras e Edificações que definem regras mínimas de salubridade e de impacto ambiental dos edifícios a serem projetados em suas cidades, assim como a leis de uso e ocupação do solo, que determinam o que pode efetivamente ser construído em cada lugar. Desta forma, o edifício é também uma preocupação do urbanismo e do planejamento urbano.


História e origemeditar | editar código-fonte

Não se conhece a data exata do primeiro edifício da história, mas, desde as primeiras civilizações, há registros de grandes palácios, templos e construções. Sabe-se que os sumérios, que dominaram o sul da Mesopotâmia de 3.500 a 1.600 a.C., chegaram a ter cidades com mais de 30 mil habitantes, nas quais havia prédios repletos de colunas e terrações. Por causa da escassez de pedras, eles usaram uma argamassa de junco e barro, além de tijolos de barro secos ao sol. O maior dos prédios deste período, o Zigurate de Ur, tinha um pavimento superior com mais de 30 metros de altura.

A civilização Minóica, que ocupou Creta por volta de 2.000 a.C., deixou vestígios de enormes palácios e edificações construídas antes de 1,750 a.C., quando uma grande catástrofe natural soterrou-as.

Fonte: www.ops.com.br

Elementos dos edifícioseditar | editar código-fonte

O edifício, do ponto de vista de sua construção é tradicionalmente visto como um sistema orgânico, munido de órgãos (ou subsistemas) interdependentes cuja cooperação é essencial para o seu adequado funcionamento. É possível identificar os seguintes elementos (órgãos) componentes do edifício: fundações (ou infraestrutura); superestrutura; vedos; cobertura; caixilharia; paramentos (revestimentos em geral); e os diversos sistemas prediais adaptados a cada situação (em geral as instalações elétricas, instalações hidráulicas, ar condicionado, etc).

Arranha-céueditar | editar código-fonte

Arranha-céu ou arranha-céus é a denominação popular de edifícios dotados de uma altura singular frente aos seus demais e de uma forma geral apresentando formatos de torre. Estes prédios normalmente possuem caráter multifuncional, sendo capazes de abrigar estabelecimentos residenciais, comerciais, de serviços, entre outros. A sua presença no espaço urbano, quando destacada de tecidos urbanos dotados de menor gabarito (altura média das edificações), constitui-se em geral como uma referência ou marco para a cidade.

Bibliografiaeditar | editar código-fonte

  • L'HERMITE, Robert. Ao Pé do Muro. São Paulo: SENAI, 1978.
  • INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION. ISO 6241: performance standards in building - principles for their preparation and factors to be considered. 2000.
  • MILA, Ariosto. O Edifício. São Paulo: FAUUSP, 1987.
  • REBELLO, Yopanan C. P. - Concepção Estrutural e Arquitetura. São Paulo: Zigurate Editores, 2000

Referências

  1. M. Gerometta, P. Kazmierczak, M. lacey, P. Oldfield, A. Wood. Tall Buildings In Numbers. World's Tallest 50 Urban Agglomerations. CTBUH Journal, 2009, issue II. http://www.ctbuh.org/HighRiseInfo/TallestDatabase/50TallestAgglomerations/tabid/1006/language/en-GB/Default.aspx

Ver tambémeditar | editar código-fonte

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Edifício

Ligações externaseditar | editar código-fonte

Ícone de esboço Este artigo sobre construção civil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.


O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Edifício







Creative Commons License