Eirunepé

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Eirunepé
"Capital do Juruá"
"Veneza Amazônica"
"Princesinha do Juruá"
"Cidade do Trabalho e da Alegria"
Vista parcial da cidade, com o rio Juruá ao fundo.

Vista parcial da cidade, com o rio Juruá ao fundo.
Bandeira de Eirunepé
Brasão de Eirunepé
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 8 de setembro
Fundação 8 de setembro de 1895 (118 anos)
Gentílico eirunepeense
Lema
Per ardua surgo (Pela dificuldade venço!)
Padroeiro(a) São Francisco de Assis
Prefeito(a) Joaquim Neto Cavalcante Monteiro (PSD)
(2013–2016)
Localização
Localização de Eirunepé
Localização de Eirunepé no Amazonas
Eirunepé está localizado em: Brasil
Eirunepé
Localização de Eirunepé no Brasil
06° 39' 36" S 69° 52' 26" O06° 39' 36" S 69° 52' 26" O
Unidade federativa  Amazonas
Mesorregião Sudoeste Amazonense IBGE/20081
Microrregião Juruá IBGE/20081
Municípios limítrofes Itamarati, Envira, Ipixuna, Benjamin Constant, Jutaí e o estado do Acre
Distância até a capital 1 159 km2
Características geográficas
Área 15 831,571 km² 3
População 33 127 hab. (AM: 20º) –  IBGE/20134
Densidade 2,09 hab./km²
Altitude 124 m 5
Clima equatorial Am
Fuso horário UTC-5
Indicadores
IDH-M 0,563 (AM: 27º) – baixo PNUD/20106
PIB R$ 196 998,177 mil (AM: 19º) – IBGE/20087
PIB per capita R$ 6 183,09 IBGE/20087
Página oficial

Eirunepé é um município brasileiro no interior do estado do Amazonas, Região Norte do país. Pertencente à Microrregião de Juruá e Mesorregião do Sudoeste Amazonense, localiza-se a sudoeste da capital do estado, distando desta cerca de 1 160 km.2 Ocupa uma área de 15 832 km², sendo que 4,3172 km² estão em perímetro urbano,5 e sua população foi estimada no ano de 2012 em 31 364 habitantes, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística,4 sendo então o 20º mais populoso do estado e o primeiro de sua microrregião. Eirunepé é também um centro sub-regional do Amazonas.8

Na vegetação do município predomina o bioma amazônico. Sua taxa de urbanização em 2010 era de 72,32%.4 O seu Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) é de 0,563, considerado médio em relação ao estado.9 Situada em uma área de Floresta Amazônica, não há, em Eirunepé, acesso a outras cidades por meio de rodovias, existindo, como meio ligação à capital ou a municípios vizinhos, apenas transportes fluvial e aéreo.

O povoamento da região de Eirunepé deu-se no início do século XIX, com a chegada de nordestinos.10 O desenvolvimento do município ocorreu durante um grande período dado pelo Ciclo da Borracha, que envolvia tanto o Amazonas como o Acre.11 Nesta época ocorreu ainda uma miscigenação da população, com traços do branco nordestino com índios Kulinaã, sendo que houve também influência de povos vindos de outras regiões do mundo, como turcos, portugueses, espanhóis e vários outros.10

Na área cultural, destaca-se principalmente pelo turismo, existindo diversos atrativos, como igrejas e praças, além de suas praias de água doce, ilhas, igarapés e lagos que formam a geografia municipal. Nota-se também a realização de eventos culturais e tradicionais, como a Festa do Açaí, o Festival Folclórico e a Festa de São Francisco de Assis, padroeiro municipal.

Etimologiaeditar | editar código-fonte

O município surgiu com o nome de São Felipe do Rio Juruá, em 1894. A vila de São Felipe passou a denominar-se João Pessoa em consequência do Ato 317, de 5 de março de 1931, através de um pedido feito em 1930 pelo primeiro prefeito, capitão Moisés de Araújo Coriolando, após eleito. Em 31 de dezembro de 1943, através do Decreto-Lei Estadual 1.186, o município e o distrito-sede passaram a denominar-se Eirunepé. O nome "Eirunepé" vem da língua tupi, significando "caminho do mel preto", através da junção de eíra (mel), un (preto, escuro) e (a)pé (caminho, estrada)12 .

Históriaeditar | editar código-fonte

Primórdioseditar | editar código-fonte

Em meados do século XIX, vários migrantes nordestinos, sobretudo cearenses, rio-grandenses do norte e paraibanos, chegaram à região do Juruá e fixaram residência nos seringais, dando origem às primeiras vilas remotas existentes na região. Estes fugiam da seca na Região Nordeste brasileira, além de serem atraídos pela extração do látex, que movimentava a economia do Amazonas à época, o auge brasileiro.10 Foi nesse contexto histórico que se iniciou o povoamento do município de Eirunepé e vizinhos.10

Homens nordestinos, trazidos por Felipe Manoel da Cunha, foram os primeiros habitantes da região após os nativos. Muitos tinham como destino trabalhar nos seringais do Sudoeste do Amazonas e no Acre. Estes casavam-se com mulheres indígenas da tribo Kulinaã, dando origem aos caboclos, - mestiços amazônidas.10 Os vários casamentos realizados entre os nordestinos que chegavam, e as mulheres índias kulinaãs, dividia a opinião da tribo. Isso fez com que os índios que aceitassem o envolvimento destes com os ditos homens brancos fossem chamados de Kulinas, enquanto aqueles que não aceitavam foram denominados Kanamari.10

Casa de caboclo na beira do rio.
Extração de látex de uma seringueira.

Nas primeiras décadas do século XX, durante a Primeira Guerra Mundial (1914-1918), muitos povos de vários países fugindo da guerra procuravam outros lugares para reiniciar a vida. Ao chegarem ao Brasil, muitos eram atraídos pela borracha, principal riqueza da época, e procuravam o interior para se dedicarem ao cultivo agrícola e ao cultivo do látex.13 14 15 16

Com o declínio da borracha, muitas famílias buscaram trabalhos em grandes centros urbanos, principalmente Manaus, Belém, Porto Velho, Tefé, Tabatinga e Eirunepé.10 Entretanto, muitos permaneceram nas regiões rurais e ribeirinhas vivendo da baixa valorização da borracha e da agricultura.10 A população, fortemente miscigenada, com traços do branco nordestino com índios Kulinaã, teve também influência de povos vindos de outras regiões, como turcos, portugueses e outros.10 A partir de então, registra-se uma cultura bastante diversificada, com hábitos e costumes próprios.10

A cidade de Eirunepé, outrora São Felipe do Juruá,17 situa-se à margem esquerda do Rio Juruá, próximo a foz do Rio Tarauacá, este situado à margem oposta. O local em que foi erguida, era anteriormente a sede do grande seringal Eiru, de propriedade de Felipe Manoel da Cunha, rico seringalista do Rio Juruá. A sede de São Felipe desenvolveu-se consideravelmente na época em que o preço da borracha passou por uma grande valorização no mercado mundial.10

Ciclo da borrachaeditar | editar código-fonte

O Ciclo da borracha constituiu uma parte importante da história econômica e social de Eirunepé, estando relacionado com a extração e comercialização da borracha.10 Este ciclo teve o seu centro na região amazônica, proporcionando grande expansão da colonização, atraindo riqueza e causando transformações culturais e sociais, além de dar grande impulso às cidades de Manaus, Porto Velho e Belém, até hoje maiores centros e capitais de seus estados, Amazonas, Rondônia e Pará, respectivamente. No mesmo período foi criado o Território Federal do Acre, atual Estado do Acre, cuja área foi adquirida da Bolívia por meio de uma compra por 2 milhões de libras esterlinas em 1903. O ciclo da borracha viveu seu auge entre 1879 a 1912, tendo depois experimentado uma sobrevida entre 1942 e 1945 durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).10

Foi descoberto um grande potencial nas vilas sobre o Juruá, inclusive Eirunepé, daí como vários trabalhadores migravam para a região do Juruá foram formando vilas que se desmembraram de Eirunepé e viraram cidades como Envira e Ipixuna, que hoje são seus principais parceiros, já que a cidade chegou a ser um dos maiores municípios do mundo em extensão territorial com aproximadamente 215.000 quilômetros quadrados.10

Formação administrativaeditar | editar código-fonte

O seringal Eiru assumiu aspecto de povoado, através da forte influência do Ciclo da Borracha. Com o acontecimento, o proprietário interessou-se por transformá-la em vila, a fim de chamar autoridades para residir naquela região longínqua. Não tardou muito, Felipe Manuel da Cunha entrou em entendimento com o governo e conseguiu que fosse acrescentado no artigo nº 69, da Lei nº 33 de 4 de novembro de 1892, mais um município, que foi denominado de São Felipe do Rio Juruá. Esta lei, porém, não foi posta em execução.18

A Lei nº 76, de 8 de setembro de 1894, criou no Rio Juruá um município com respectivo Termo Judiciário anexo à Comarca de Tefé, com sede em São Felipe.19 A Lei nº 114, de 17 de abril de 1895, transferiu a sede do município do lugar de São Felipe para Carauari.19 Feita a revisão dos limites dos municípios do estado, pelo Decreto nº 122, de 7 de agosto de 1896, a sede do município de Carauari ficou incluída no território de Tefé, dando resultado ao Decreto nº 125, de 11 de agosto de 1896, transferindo a sede do município de Carauari novamente para o lugar de São Felipe. Automaticamente, o Dr. Jorge Augusto Studart, juiz de direito, julgou transferida a sede da Comarca e, se passando para a nova localidade, ali foi instalada a Comarca em 21 de setembro de 1896. Não existe nenhum ato criando a Comarca de São Felipe.18 Na mesma data, o primeiro superintendente Capitão Tenente Tomás Medeiros Pontes instalou a vila, que até então não fora criada. Após a Revolução Nacional (1930), o Capitão Moisés de Araújo Coriolando foi nomeado prefeito. Este solicitou, logo em seguida, a mudança do nome da vila de São Felipe para João Pessoa,19 através do Ato nº 317, de 5 de março de 1931.18

Pela Lei nº 14, de 6 de setembro de 1935, a vila foi elevada à categoria de Cidade, tendo sido instalada na gestão do prefeito João Pinto Conrado Gomes. Em 31 de dezembro de 1943, pelo Decreto-Lei Estadual nº 1.186, o município e o distrito sede passam a denominar-se Eirunepé.17 Em 19 de dezembro de 1955, pela Lei Estadual n° 96, parte de seu território é desmembrado para constituir dois novos municípios, que atualmente são chamados de Envira e Ipixuna.18 17

História recenteeditar | editar código-fonte

O município cresceu gradativamente e tornou-se uns dos principais municípios do sudoeste do Amazonas, juntamente com Tabatinga e Fonte Boa. São os principais pólos dessa região. A atual população de Eirunepé, bem como da região do Juruá, é formada principalmente pelo elemento caboclo, mescla do indígena e dos nordestinos que vieram à região em grande número no início do século XX para a extração da borracha. Também é forte na região a presença de imigrantes. Mais recentemente, a região também tem recebido imigrantes peruanos que têm intensivado e passado alguns de seus costumes. 20

Geografiaeditar | editar código-fonte

A área do município, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, é de 15 831,571 km², sendo que 4,3172 km² constituem a zona urbana e os 15827,25 km² restantes constituem a zona rural.5 Situa-se a 06º39′36” de latitude sul e 69º52′26” de longitude oeste e está a uma distância de 1 159,7 quilômetros a sudoeste da capital amazonense.2 Seus municípios limítrofes são Itamarati e Envira ao leste; estado do Acre e Ipixuna ao sul; Benjamin Constant e Jutaí ao oeste.21

Relevo e hidrografiaeditar | editar código-fonte

Ponte sobre o rio Tarauacá, que desagua em território eirunepeense.

O relevo da região de Eirunepé, assim como de grande parte do estado do Amazonas, é predominantemente plano com ocorrências de pequenas elevações, caracterizando-se como uma peneplanície.22 A sede municipal está localizada em uma altitude de 124 metros, de acordo com a Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico do Amazonas (Seplan).2

O município pertence à Bacia do rio Amazonas, que é considerada como a maior bacia hidrográfica de todo o mundo, com 7 milhões de km², compreendendo terras de vários países da América do Sul (Peru, Colômbia, Equador, Venezuela, Guiana e Bolívia, além do Brasil).22 Eirunepé é banhada pelo Rio Juruá, além de ser cortada pelo Rio Tarauacá, sendo que está situado dentro de seu território o local onde o segundo rio citado desagua na margem direita do primeiro.23

Climaeditar | editar código-fonte

O clima eirunepeense é caracterizado equatorial (tipo Af segundo Köppen),24 com diminuição de chuvas no inverno e temperatura média anual de 26,1 °C, tendo índice pluviométrico elevado com temperaturas elevadas durante todo o ano. O mês mais quente, outubro, conta com temperatura média de 26,75 °C, sendo a média máxima de 32,2°C e a mínima de 21,3°C. E o mês mais frio, agosto, de 24,75 °C, sendo 32,0°C e 17,5°C a média máxima e mínima, respectivamente.25

A precipitação média anual é de 2 509,6 mm, sendo julho o mês mais seco, quando ocorrem 57,3 mm. Em janeiro, o mês mais chuvoso, a média fica em 344,9 mm.25 Durante a época das secas e em longos veranicos em pleno período chuvoso também são comuns registros de queimadas em morros e matagais, principalmente na zona rural da cidade, o que contribui com o desmatamento e com o lançamento de poluentes na atmosfera, prejudicando ainda a qualidade do ar.26 Em julho de 2005, por exemplo, a precipitação de chuva em Eirunepé não passou dos 0 mm.27

Segundo dados do Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC) e do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), de agosto de 1974 a dezembro de 1978 e a partir de agosto de 1997 a temperatura mínima registrada na cidade foi de 10,2 °C, nos dias 19 de julho de 197528 e 10 de julho de 1976.29 Já a máxima foi de 39,4 °C, observada nos dias 28 de outubro de 199730 e 7 de outubro de 1999.31 Como citado anteriormente, são comuns precipitações durante todo o ano, porém o maior acumulado registrado em 24 horas foi de 140,4 mm, em 2 de novembro de 2003.32


Dados climatológicos para Eirunepé
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima registrada (°C) 37,6 37,4 37,5 37,3 38,2 37,0 37,0 38,3 38,6 39,4 38,4 38,0 39,4
Temperatura máxima média (°C) 31,0 31,3 31,3 31,1 30,9 30,5 31,3 32,0 32,2 32,2 31,6 31,2 31,3
Temperatura mínima média (°C) 22,0 21,8 22,0 21,9 21,3 19,5 19,3 17,5 20,5 21,3 22,1 22,1 20,9
Temperatura mínima registrada (°C) 16,2 16,2 15,2 16,6 14,9 12,0 10,2 12,0 11,2 14,2 14,2 16,2 10,2
Precipitação (mm) 344,9 312,1 328,2 234,4 137,5 92,5 57,3 81,8 196,1 207,0 232,5 285,3 2 509,6
Fonte: Jornal do Tempo (médias climatológicas entre 1961 e 1990)25
Fonte #2: Portal de Tecnologia da Informação Para Meteorologia (recordes de agosto de 1974 a dezembro de 1978 e a partir de agosto de 1997)33


Ecologia e meio ambienteeditar | editar código-fonte

O município está localizado dentro da área da Floresta Amazônica. É a floresta equatorial que ocupa a maior extensão do território amazônico, sendo a maior floresta tropical do mundo.34 O solo amazônico é bastante pobre, contendo apenas uma fina camada de nutrientes. A floresta de terra firme apresenta um solo extremamente pobre em nutrientes. Isto forçou uma adaptação das raízes das plantas que, através de uma associação simbiótica com alguns tipos de fungos, passaram a decompor rapidamente a matéria orgânica depositada no solo, a fim de absorver os nutrientes antes deles serem lixiviados. A floresta fluvial alagada também apresenta algumas adaptações às condições do ambiente, como raízes respiratórias, que possuem poros que permitem a absorção de oxigênio atmosférico.34

Demografiaeditar | editar código-fonte

Crescimento populacional de
Eirunepé35
Ano População
1970 10 882
1980 14 770
1991 20 372
2000 26 074
2006 30 125
2010 30 666

A população do município em 2010, de acordo com o IGBE, era de 30 666 habitantes, sendo o vigésimo município mais populoso do estado, apresentando uma densidade populacional de 1,94 habitantes por km².4 Neste ano, 15 791 eram homens e 14 875 mulheres,4 e, em 2000, 64,36% da população (16 781 habitantes) vivia na zona urbana e 35,64% (9 293 habitantes) vivia na zona rural.2 Também em 2000, segundo dados do Censo IBGE daquele ano, a população eirunepeense era composta por 19 372 brancos (74,30%); 5 003 brancos (19,19%); 772 indígenas (2,96%); 554 negros (2,12%); oito amarelos (0,03%); além dos 365 sem declaração (1,40%).36 A faixa etária predominante era de pessoas entre 15 e 64 anos, com 13 158 habitantes.2

O Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDH-M) de Eirunepé é considerado médio pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). Seu valor é de 0,562, sendo o 47° maior de todo estado do Amazonas (em 62 municípios) e o 5201° de todo país (entre 5 507).37 A cidade possui a maioria dos indicadores médios, porém abaixo da média nacional segundo o PNUD.2

O coeficiente de Gini, que mede a desigualdade social, é de 0,43, sendo que 1,00 é o pior número e 0,00 é o melhor.38 No ano de 2003, a incidência da pobreza, medida pelo IBGE, é de 56,69%, o limite inferior da incidência de pobreza é de 49,64%, o superior é de 63,75% e a incidência da pobreza subjetiva é de 65,34%.38

Religiãoeditar | editar código-fonte

Tal como a variedade cultural em Eirunepé, são diversas as manifestações religiosas presentes na cidade. Embora tenha se desenvolvido sobre uma matriz social eminentemente católica, é possível encontrar atualmente na cidade dezenas de denominações protestantes diferentes.39

O município de Eirunepé está localizado no país mais católico do mundo em números absolutos. A Igreja Católica teve seu estatuto jurídico reconhecido pelo governo federal em outubro de 2009,40 ainda que o Brasil seja atualmente um estado oficialmente laico.41 A cidade possui os mais diversos credos protestantes ou reformados, como a Assembleia de Deus, a Igreja Cristã Maranata, a Igreja Presbiteriana, as igrejas batistas, a Igreja Adventista do Sétimo Dia e a Igreja Universal do Reino de Deus, entre outras. De acordo com dados do censo de 2000 realizado pelo IBGE, a população de Eirunepé está composta por: Católicos (81,17%), evangélicos (15,50%), pessoas sem religião (2,34%) e 0,99% estão divididos entre outras religiões.39

Política e administraçãoeditar | editar código-fonte

De acordo com a Constituição de 1988, Eirunepé está localizada em uma república federativa presidencialista. Foi inspirada no modelo estadunidense, no entanto, o sistema legal brasileiro segue a tradição romano-germânica do Direito positivo.42 A administração municipal se dá pelo poder executivo e pelo poder legislativo.43

Prefeitura de Eirunepé.

Antes de 1930 os municípios eram dirigidos pelos presidentes das câmaras municipais, também chamados de agentes executivos ou intendentes. Somente após a Revolução de 1930 é que foram separados os poderes municipais em executivo e legislativo.44 O primeiro líder do poder executivo e prefeito do município foi Moisés de Araújo Coriolando, que permaneceu no cargo entre 1931 e 1934.18 Em vinte e nove mandatos, 22 prefeitos passaram pela prefeitura de Caratinga, além dos agentes executivos.18 Em 2009, quem venceu as Eleições municipais no Brasil em Eirunepé foi Francisco das Chagas Dissica Valério Tomaz, do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), sendo reeleito com 53,80% dos votos válidos. Por ter menos de 200 mil eleitores, o município não teve segundo turno.45

O Poder legislativo é constituído pela câmara, composta por nove vereadores eleitos para mandatos de quatro anos (em observância ao disposto no artigo 29 da Constituição46 ) e está composta da seguinte forma:47 duas cadeiras do Partido Progressista (PP); uma cadeira do Partido Social Liberal (PSL); uma do Democratas (DEM); uma do Partido da República (PR); uma do Partido Republicano Brasileiro (PRB); uma do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB); uma do Partido Social Cristão (PSC); e uma do uma do Partido Humanista da Solidariedade (PHS). Cabe à casa elaborar e votar leis fundamentais à administração e ao Executivo, especialmente o orçamento participativo (Lei de Diretrizes Orçamentárias).

O município de Eirunepé se rege por leis orgânicas.48 A cidade também é sede de uma comarca, que foi criada em setembro de 1896, sendo extinta 39 anos depois, em 1935, e restabelecida no ano de 1935.49 O município possuía em 2010 18 504 eleitores.50

Subdivisõeseditar | editar código-fonte

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2000 Eirunepé era composta por seis bairros, além de uma área chamada de "zona sem especificação", que corresponde à zona rural do município. O bairro mais populoso era o Nossa Senhora de Fátima, que possuía 6 085 habitantes naquele ano. Entretanto a zona sem especificação englobava uma área que contava com 9 293 habitantes.51

Bairros oficiais de Eirunepé (IBGE/2000)51
Bairro
População Homens Mulheres Domicílios particulares
Centro 997 491 476 961
Nossa Senhora Aparecida 2 572 1 267 1 205 2 562
Nossa Senhora de Fátima 6 085 3 087 2 998 6 080
Nossa Senhora do Perpétuo Socorro 2 404 1 210 1 294 2 404
Santo Antônio 3 132 1 592 1 540 3 132
São José Operário 1 161 825 796 1 161
Zona rural 9 293 5 001 4 292 9 293

Economiaeditar | editar código-fonte

O Produto Interno Bruto - PIB - de Eirunepé é um dos maiores de sua microrregião,7 destacando-se na área de prestação de serviços. De acordo com dados do IBGE, relativos a 2008, o PIB do município era de R$ 96 998,177 mil.7 2 809 mil são de impostos sobre produtos líquidos de subsídios a preços correntes.7 O PIB per capita é de R$ 3 183,097 e o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) de renda é de 0,482, sendo que o do Brasil é de 0,723.2

Em 2009 havia 2 931 trabalhadores, sendo 1 568 pessoal ocupado total e 1 363 ocupado assalariado. Salários juntamente com outras remunerações somavam 10 347 reais e o salário médio mensal de todo município era de 1,3 salários mínimos.52

Setor primário
Produção de mandioca, cana-de-açúcar e milho53
Produto Área colhida (Hectares) Produção (Tonelada)
Mandioca 1 318 13 134
Cana-de-açúcar 9 620 240
Milho 1 150 440

A agricultura é o segundo setor mais relevante da economia de Eirunepé. De todo o PIB da cidade 21 308 mil reais é o valor adicionado bruto da agropecuária.7 Segundo o IBGE em 2009 o município possuía um rebanho de 19 289 bovinos, 182 equinos, 11 740 suínos, 93 caprinos, 48 bubalinos, 36 asininos, 20 muares, 738 ovinos e 36 147 aves, entre estas 13 320 galinhas, 22 695 galos, frangos e pintinhos e 132 codornas.54 Em 2009 a cidade produziu 30 mil litros de leite de 70 vacas. Foram produzidas 46 mil dúzias de ovos de galinha.54 Na lavoura temporária são produzidos principalmente a mandioca (13 134 toneladas), a cana-de-açúcar (9 620 toneladas) e o milho (1 150 toneladas).53 O município é o maior produtor nacional de açúcar mascavo, sendo desde 2009 sede de uma fábrica.55

Setores secundário e terciário
Composição econômica de Eirunepé56
Agropecuária
14,8%
Indústria
11,8%
Serviços
73,4%

A indústria, atualmente, é o segundo menos relevante para a economia do município. 10 386 reais do PIB municipal são do valor adicionado bruto da indústria (setor secundário).7 A produção industrial no município está intimamente ligada à fabricação de açúcar e de produtos artesanais. Há indústrias voltadas a atividades agropecuárias, produção de minerais não metálicos, metalúrgica, mecânica, materiais elétricos, material de transporte, madeira, mobiliário, papel, borracha, couro, produtos farmacêuticos e veterinários, materiais plásticos, têxtil, vestuário, bebida, fumo, editorial e gráfica, calçados e construção.18

A prestação de serviços rende 62 494 reais ao PIB municipal.7 O setor terciário atualmente é a maior fonte geradora do PIB eirunepeense. De acordo com o IBGE, a cidade possuía, no ano de 2008, 242 unidades locais e 239 empresas e estabelecimentos comerciais atuantes.52 O município mantém transações comerciais com as praças de Rio Branco e Porto Velho. Entre os produtos que importa aparecem em primeiro lugar gêneros alimentícios, produtos artesanais e calçados.18

Estrutura urbanaeditar | editar código-fonte

Habitação, infraestrutura básica e criminalidadeeditar | editar código-fonte

No ano de 2010 a cidade tinha 6 974 domicílios entre apartamentos, casas, e cômodos. Desse total 4 205 eram imóveis próprios, sendo 4 182 próprios já quitados (88,73%), 23 em aquisição (0,49%) e 148 alugados (3,14%); 270 imóveis foram cedidos, sendo 125 por empregador (2,65%) e 145 cedidos de outra maneira (3,08%). 90 foram ocupados de outra forma (1,91%).57 Parte dessas residências conta com água tratada, energia elétrica, esgoto, limpeza urbana, telefonia fixa e telefonia celular. Em 2000, 52,15% dos domicílios eram atendidos pela rede geral de abastecimento de água;58 71,99% das moradias possuíam coleta de lixo;59 e 7,75% das residências possuíam algum tipo de escoadouro sanitário.60

Como na maioria dos municípios médios e grandes brasileiros, a criminalidade ainda é um problema em Eirunepé. Em 2008, a taxa de homicídios no município foi de 29,5 para cada 100 mil habitantes, ficando na quarta posição a nível estadual e no 499° lugar a nível nacional.61 O índice de suicídios naquele ano para cada 100 mil habitantes foi de 3,3, sendo o 18° a nível estadual e o 1638° a nível nacional.62 Já em relação à taxa de óbitos por acidentes de transito, o índice foi de 6,6 para cada 100 mil habitantes, ficando na décima nona lugar a nível estadual e no 2369° lugar a nível nacional.63

Por força da Constituição Federal do Brasil, a Guarda Municipal de Eirunepé, possui a função de proteger os bens, serviços e instalações públicas. Ainda, atendendo o interesse público e no exercício do seu poder de polícia, atua na prevenção e repressão de alguns crimes, especialmente contra bens e serviços públicos, podendo inclusive prender em flagrante delito os infratores e conduzi-los até a presença de um delegado de polícia, de acordo com o disposto na lei processual penal.64

Saúde e educaçãoeditar | editar código-fonte

O município possuía no ano de 2008 apenas cinco estabelecimento de saúde, sendo estes públicos municipais e que apenas um deles contava com internação pública. Neles havia 80 leitos. A cidade possui ainda atendimento ambulatorial com atendimento médico em especialidades básicas, atendimento odontológico com dentista e presta serviço ao Sistema Único de Saúde (SUS).65 Existem também Unidade Básica de Saúde, Posto de Saúde e Unidade de Serviço de Apoio de Diagnose e Terapia. Eirunepé contava em dezembro de 2009 com 77 profissionais da área da saúde66 e seu Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) de longevidade era, em 2000, de 0,621.2 No ano de 2008, foram registrados 823 nascidos vivos, sendo que 3,0% nasceram prematuros, 16,4% foram de partos cesáreos e 34,0% foram de mães entre 10 e 19 anos (2,9% entre 10 e 14 anos). A Taxa Bruta de Natalidade é de 27,0 e em 2000 a esperança de vida ao nascer era de 62,2 anos.66

Na área da educação, o município, em 2008, contava com aproximadamente 10 643 matrículas, 442 docentes e 62 escolas nas redes públicas e particulares.67 Segundo dados do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP) e do Ministério da Educação (MEC), o índice de analfabetismo no ano de 2000 entre pessoas de 18 a 24 anos de idade era de 31,1% e o de pessoas acima dos 25 anos era de 56,3%. 75,2% das pessoas frequentam o ensino fundamental em relação à população de 7 a 14 anos; 77,0% das pessoas frequentam o ensino médio em relação à população de 15 a 17 anos; e 61,1% de pessoas frequentam cursos superiores em relação à população de 18 a 22 anos. A média de estudo da população era de 2,6 anos.2 Entre as principais instituições de ensino superior presentes em Eirunepé, destacam-se a Universidade Federal do Amazonas (UFAM)68 e a Universidade do Estado do Amazonas (UEA).69 A cidade também ganhará uma nova unidade do Instituto Federal do Amazonas (IFAM) até 2014.70

A Escola Estadual Dom Bosco, situada na cidade, teve em 2009 o quarto maior Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) de todo o Brasil, obtendo nota 8,7 no índice, em escala de pontuação que vai de 1 a 10.71 72

Educação de Eirunepé em números 67
Nível Matrículas Docentes Escolas (total)
Ensino pré-escolar 984 48 18
Ensino fundamental 8 484 351 42
Ensino médio 1 175 43 2

Serviços e comunicaçõeseditar | editar código-fonte

O município é abastecido pela Usina Termoelétrica de Eirunepé, localizada no distrito sede. A distribuição de energia no município é fornecida pela Eletrobras Amazonas Energia.73 Já o serviço de abastecimento de água de toda a cidade é feito pela Serviço de Abastecimento de Água e Esgoto (SAAE).74 Ainda há serviços de internet discada e banda larga (ADSL) sendo oferecidos por diversos provedores de acesso gratuitos e pagos. O serviço telefônico móvel, por telefone celular, é oferecido por diversas operadoras. O código de área (DDD) de Eirunepé é 09775 e o Código de Endereçamento Postal (CEP) da cidade vai de 69000-000 a 69299-999 e de 69400-000 a 69899-999.76 No dia 5 de janeiro de 2009 o município passou a ser servido pela portabilidade, juntamente com outros municípios com o mesmo DDD. A portabilidade é um serviço que possibilita a troca da operadora sem a necessidade de se trocar o número do aparelho.77

Eirunepé recebe sinais de televisão aberta de várias emissoras brasileiras. Na cidade há cinco canais, sendo quatro em Very High Frequency (VHF) e um em Ultra High Frequency (UHF). São eles: a TV Bandeirantes Amazonas - antiga TV Rio Negro - emissora da própria Rede Bandeirantes; a TV Eirunepé, afiliada da Rede Globo; a Rede Boas Novas (RBN); a TV Verdes Florestas, afiliada da Rede Vida; o Amazon Sat; e a TV Em Tempo, afiliada do Sistema Brasileiro de Televisão (SBT).78

Transporteeditar | editar código-fonte

Os rios amazônicos são ainda hoje, como no tempo do Brasil-Colônia, as únicas vias de penetração nessa região.79 A navegação fluvial é muito intensa no Amazonas, que possui o maior rio em volume de águas do mundo, o Rio Amazonas. Os rios de pequeno porte da região são navegáveis até o alto curso, como acontece nos rios juruá e Purus. Os tipos de embarcação hidroviária utilizadas na região variam desde pequenos barcos até a navios de cruzeiro. São usadas ainda embarcações a vela, geralmente chamadas de "canoas", "geleiras" ou "vigilengas", que realizam grande parte do tráfego à capital, Manaus, e outras localidades rurais do município.79 O município possui muita tradição no transporte hidroviário, tendo em vista a abundância dos rios que cortam a localidade. A cidade conta com um movimentado porto, que atende toda a região do Juruá. O Porto de Eirunepé localiza-se na margem direita do rio Juruá, mesmo em frente a sede da cidade. É comandado pela Agência Fluvial de Eirunepé, que foi criada pelo Decreto nº 6.530, de 20 de novembro de 1940, tendo jurisdição sobre os seguintes municípios: Cruzeiro do Sul, Envira, Guajará, Itamarati, Marechal Taumaturgo, Rodrigues Alves, Feijó, Ipixuna, Mâncio Lima, Porto Walter, Tarauacá e Jordão.80

Outra forma de acesso a Eirunepé, apesar de mais cara, é o transporte aéreo. O Aeroporto Regional de Eirunepé possui características que o equiparam em qualidade aos melhores do Amazonas, sendo capaz de comportar qualquer tipo de avião comercial ou militar em operação.81 É o principal aeroporto do Centro-Sul do estado, recebendo anualmente cerca de 30 000 passageiros. Possui uma pista de 2300 metros de asfalto.82

Eirunepé, assim como os demais municípios amazonenses, não é cortada por ferrovias em seu território, além de ser uma das poucas cidades do estado que não possuem frota de ônibus.83 Também não há qualquer estrada pavimentada que ligue a cidade a outro município.84 A utilização de bicicletas como meio de transporte na cidade foi bastante reduzida nos últimos anos. Atualmente a maioria da frota de Eirunepé é composta de motocicletas. A frota municipal no ano de 2010 era de 746 veículos, sendo 41 automóveis, 21 caminhões, 35 caminhonetes, 8 camionetas, 403 motocicletas e 238 motonetas.83

Cultura e sociedadeeditar | editar código-fonte

A cultura do município, assim como do Amazonas, foi largamente influencidada pelos povos nativos da região e pelos diversos grupos de imigrantes e migrantes que ali se estabeleceram, principalmente espanhóis.85 Eirunepé tornou-se uma cidade com ampla miscigenação cultural e diversificadas culturas.85 Os nordestinos que migraram para a Amazônia no fim do Século XIX e início do Século XX, atraídos pelo Ciclo da borracha, também contribuíram para a formação da cultura municipal.86 Tudo isso gerou na localidade e no estado uma cultura mestiça e com grande contribuição e permanência da cultura indígena.86

Turismo e eventoseditar | editar código-fonte

Dentre seu potencial se destacam o balneário do Aquariquaral, um dos cartões postais da cidade, e a Praça Paroquial de São Francisco de Assis, padroeiro de Eirunepé. Destacam-se as praias de água doce localizada às margens dos rios que banham o município, além das diversas ilhas, igarapés, lagos e paranás que formam a geografia municipal.18

Para estimular o desenvolvimento socioeconômico local, a prefeitura de Eirunepé, juntamente ou não com empresas locais, investe no segmento de festas e eventos.18 Essas festas, muitas vezes atraem pessoas de outras cidades, exigindo uma melhor infraestrutura no município e estimulando a profissionalização do setor, o que é benéfico não só aos turistas, mas também a toda população da cidade. As atividades ocorrem durante o ano inteiro. Há: o Festival de Inverno, com shows de calouro, natação e canoagem, e o Novenário de São José, em março; a Festa do Açaí, em abril; o Arraial de Nossa Senhora de Fátima, em maio; o Festival Folclórico de Eirunepé, em junho; as comemorações do aniversário da emancipação política, em setembro; e a Festa de São Francisco de Assis, entre setembro e outubro. No cenário esportivo, destaca-se a Copa Intermunicipal de Seleções, realizada anualmente entro setembro e dezembro.18

Feriadoseditar | editar código-fonte

Em Eirunepé há dois feriados municipais e oito feriados nacionais, além dos pontos facultativos. Os feriados municipais são: o aniversário da emancipação da cidade, dia 8 de setembro; e o dia de São Francisco de Assis, padroeiro municipal, em 4 de outubro.87 De acordo com a lei federal n.º 9.093, aprovada em 12 de setembro de 1995, os municípios podem ter no máximo quatro feriados municipais, já incluída a Sexta-Feira Santa.88 89

Ver tambémeditar | editar código-fonte

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil. Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  2. a b c d e f g h i j Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico do Amazonas (Seplan). Perfil municipal - Eirunepé (AM). Página visitada em 3 de junho de 2011.
  3. IBGE (10 de outubro de 2002). Área territorial oficial. Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 de dezembro de 2010.
  4. a b c d e Estimativa Populacional 2013 (PDF). Censo Populacional 2013. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1º de julho de 2013). Página visitada em 29 de agosto de 2012.
  5. a b c Embrapa Monitoramento por Satélite. Amazonas. Página visitada em 3 de junho de 2011.
  6. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil. Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2010). Página visitada em 3 de agosto de 2013.
  7. a b c d e f g h i Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 11 de dezembro de 2010.
  8. Confederação Nacional de Municípios (CNM) (9 de fevereiro de 2011). Divisão Administrativa do Amazonas. Página visitada em 18 de fevereiro de 2011.
  9. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas PNUD_IDH_2010
  10. a b c d e f g h i j k l m n Eirunepé - Histórico. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) - @Cidades. Página visitada em 3 de julho de 2013.
  11. Ferias Tur. Envira no FériasTur. Página visitada em 21 de janeiro de 2011.
  12. NAVARRO, E. A. Método moderno de tupi antigo: a língua do Brasil dos primeiros séculos. 3ª edição. São Paulo. Global. 2005. 463 p.
  13. Cultura Brasil. Primeira Guerra Mundial. Página visitada em 30 de agosto de 2010.
  14. Hoover, Herbert, Ordeal of Woodrow Wilson, 1918, página 47.
  15. Ford Ham. Imperialismo (em Inglês). Página visitada em 4 de junho de 2011.
  16. Marxists (1916). Panfleto de 1917 "Imperialismo: O Último Estágio do Capitalismo". Página visitada em 4 de junho de 2011.
  17. a b c UOL. Eirunepé - História da Cidade. City Brazil UOL. Página visitada em 3 de julho de 2013.
  18. a b c d e f g h i j k Ferias Tur. Características de Eirunepé. Página visitada em 22 de dezembro de 2010.
  19. a b c Representação do município de Eirunepé. História de Eirunepé. Associação Amazonense de Municípios (AAM). Página visitada em 3 de julho de 2013.
  20. Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico do Amazonas (Seplan). Distância rodoviária Eirunepé - Manaus. Página visitada em 14 de julho de 2010.
  21. City Brazil (2011). Limites de Eirunepé. Página visitada em 9 de fevereiro de 2011.
  22. a b Governo do Amazonas. Geografia. Página visitada em 3 de junho de 2011.
  23. Ambiente Brasil. Principais afluentes do Rio Amazonas. Página visitada em 3 de junho de 2011.
  24. World Map of the Köppen-Geiger climate classification. World Map of the Köppen-Geiger climate classification. Institute for Veterinary Public Health. Página visitada em 27 de maio de 2011.
  25. a b c Instituto Nacional de Meteorologia (INMET). Dados mensais da Climatologia: Eirunepé - AM. Jornal do Tempo. Página visitada em 27 de maio de 2011.
  26. Renan Albuquerque (24 de junho de 2007). Risco de fogo em 14 municípios do AM. O Curumim. Página visitada em 27 de maio de 2011.
  27. CPTEC/INPE. Precipitação acumulada em julho de 2005 (Eirunepé - BRA). BDC (Bancos de Dados Climatológicos). Página visitada em 27 de maio de 2011.
  28. CPTEC/INPE. Temperaturas mínimas registradas em julho de 1975 (Eirunepé - BRA). BDC (Bancos de Dados Climatológicos). Página visitada em 27 de maio de 2011.
  29. CPTEC/INPE. Temperaturas mínimas registradas em julho de 1976 (Eirunepé - BRA). BDC (Bancos de Dados Climatológicos). Página visitada em 27 de maio de 2011.
  30. CPTEC/INPE. Temperaturas máximas registradas em outubro de 1997 (Eirunepé - BRA). BDC (Bancos de Dados Climatológicos). Página visitada em 27 de maio de 2011.
  31. CPTEC/INPE. Temperaturas máximas registradas em outubro de 1999 (Eirunepé - BRA). BDC (Bancos de Dados Climatológicos). Página visitada em 27 de maio de 2011.
  32. Sistema de Monitoramento Agrometeorológico (Agritempo). Dados Meteorológicos - Amazonas. Página visitada em 13 de agosto de 2011.
  33. Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC). Busca por cidade. Portal de Tecnologia da Informação Para Meteorologia (Protim). Página visitada em 27 de maio de 2011.
  34. a b Sua Pesquisa. Floresta Amazônica. Página visitada em 3 de junho de 2011.
  35. Confederação Nacional de Municípios (CNM) (2010). Demografia - População Total. Página visitada em 4 de junho de 2011.
  36. Sidra (Sistema IBGE de Recuperação de Dados Automática) (2000). População de Eirunepé por raça e cor. Página visitada em 4 de junho de 2011.
  37. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas PNUD_IDH_2000
  38. a b IBGE. Indicadores sociais dos municípios brasileiros. Página visitada em 4 de junho de 2011.
  39. a b Religião. Página visitada em 4 de junho de 2011.
  40. Cristiane Agostine (8 de outubro de 2009). Senado aprova acordo com o Vaticano (em Português). O Globo. Página visitada em 4 de junho de 2011.
  41. Fernando Fonseca de Queiroz (Outubro de 2005). Brasil: Estado laico e a inconstitucionalidade da existência de símbolos religiosos em prédios públicos. Jus Navigandi. Página visitada em 4 de junho de 2011.
  42. Organization of American States (OAS). The Brazilian Legal System (em Inglês). Página visitada em 4 de junho de 2011.
  43. Flávio Henrique M. Lima (8 de fevereiro de 2006). O Poder Público Municipal à frente da obrigação constitucional de criação do sistema de controle interno. JusVi. Página visitada em 4 de junho de 2011.
  44. Câmara Municipal de Bragança Paulista. Câmara Municipal de Bragança Paulista. Página visitada em 4 de junho de 2011.
  45. Terra (6 de outubro de 2008). Apuração 1º turno. Página visitada em 4 de junho de 2011.
  46. DJI. Constituição Federal - CF - 1988 / Art. 29. Página visitada em 4 de junho de 2011.
  47. Terra (6 de outubro de 2008). Apuração 1º turno (Vereadores). Página visitada em 4 de junho de 2011.
  48. Câmara. Constituição do Amazonas. Página visitada em 3 de julho de 2013.
  49. Cidades. Informações sobre Eirunepé. Página visitada em 3 de fevereiro de 2011.
  50. Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas (TRE/AM) (28 de maio de 2010). Eleitorado de Eirunepé. Página visitada em 28 de maio de 2010.
  51. a b Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (13 de dezembro de 2001). Censo Demografico 2000 - Microrregiões, distritos, subdistritos e bairros. Página visitada em 4 de junho de 2011.
  52. a b Cidades@ - IBGE (2008). Estatísticas do Cadastro Central de Empresas. Página visitada em 4 de junho de 2011.
  53. a b Cidades@ - IBGE (2008). Lavoura Temporária 2009. Página visitada em 4 de junho de 2011.
  54. a b Cidades@ - IBGE (2008). Pecuária 2009. Página visitada em 4 de junho de 2011.
  55. Portal Amazônia. Eirunepé vai sediar fábrica de Açúcar. Página visitada em 8 de setembro de 2010.
  56. Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico do Amazonas (Seplan) (9 de março de 2010). Produto Interno municipal do Estado do Amazonas. Página visitada em 15 de outubro de 2010.
  57. Confederação Nacional de Municípios (CNM). Infra-Estrutura - Domicílios Particulares Permanentes e Moradores. Página visitada em 4 de junho de 2011.
  58. Confederação Nacional de Municípios (CNM). Infra-Estrutura - Abastecimento de Água. Página visitada em 4 de junho de 2011.
  59. Confederação Nacional de Municípios (CNM). Infra-Estrutura - Destino do Lixo. Página visitada em 4 de junho de 2011.
  60. Confederação Nacional de Municípios (CNM). Infra-Estrutura - Esgotamento Sanitário. Página visitada em 4 de junho de 2011.
  61. Sangari (2011). Número e taxas (em 100 mil) de homicídio nos municípios com 10.000 habitantes ou mais (xls). Página visitada em 4 de junho de 2011.
  62. Sangari (2011). Número e taxas (em 100 mil) de suicídio nos municípios com 10.000 habitantes ou mais (xls). Página visitada em 4 de junho de 2011.
  63. Sangari (2011). Número e taxas (em 100 mil) de Óbitos Ac.Transporte nos municípios com 10.000 habitantes ou mais (xls). Página visitada em 28 de fevereiro de 2011.
  64. Presidência da República (4 de junho de 2011). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988.
  65. Cidades@ - IBGE (2009). Serviços de Saúde 2009. Página visitada em 4 de junho de 2011.
  66. a b DATASUS (24 de maio de 2010). Caderno de Informações de Saúde - Informações Gerais (xls). Página visitada em 4 de junho de 2011.
  67. a b Cidades@ - IBGE (2009). Ensino, matrículas, docentes e rede escolar 2009. Página visitada em 4 de junho de 2011.
  68. Universidade Federal do Amazonas - UFAM. Portal Mundo Vestibular. Página visitada em 26 de fevereiro de 2012.
  69. Gabriele Pires Alves. UEA (Universidade do Estado do Amazonas). Página visitada em 26 de fevereiro de 2012.
  70. Ifam vai ganhar mais quatro campi no interior do Amazonas - Eirunepé, Humaitá, Itacoatiara e Tefé serão as cidades que receberão as novas unidades. Jornal A Crítica (20 de agosto de 2011). Página visitada em 3 de julho de 2013.
  71. Carolina Rocha (5 de julho de 2010). Escolas no topo do ranking do Ideb têm realidades diferentes. Ig. Página visitada em 7 de junho de 2011.
  72. Correio do Brasil (25 de março de 2011). Escola carente está entre as de melhor desempenho do país. Página visitada em 7 de junho de 2011.
  73. Editora Horizonte. Água demais, água de menos - Onde tem água de sobra. Página visitada em 7 de fevereiro de 2011.
  74. Associação Amazonense de Municípios (ASAM). Serviço de Abastecimento de Água e Esgoto (SAAE) (PDF). Página visitada em 7 de fevereiro de 2011.
  75. Guiatel. Amazonas. Página visitada em 4 de junho de 2011.
  76. Correios. CEP de cidades brasileiras. Página visitada em 4 de junho de 2011.
  77. ABR Telecom (6 de setembro de 2009). Em seis meses de portabilidade numérica, DDDs das capitais Porto Alegre (RS), Palmas (TO), Cuiabá (MT) e Manaus (AM) fizeram quase 135 mil pedidos de troca de operadora. Página visitada em 4 de junho de 2011.
  78. Portal BSD (30 de maio de 2011). Listando canais de Eirunepé - AM. Página visitada em 4 de junho de 2011.
  79. a b Ministério dos Transportes. Dados técnicos sobre as bacias hidroviárias - Hidrovia do Juruá. Página visitada em 1 de fevereiro de 2011.
  80. Marinha do Brasil (20 de novembro de 2008). Agência Fluvial de Eirunepé. Página visitada em 24 de junho de 2010.
  81. Jornal Cara limpa de Eirunepé (1 de janeiro de 2010). Aeroporto de Eirunepé. Página visitada em 26 de julho de 2010.
  82. Anac. Anac Estatatísticas. Página visitada em 7 de maio de 2011.
  83. a b Cidades@ - IBGE (2009). Frota 2011. Página visitada em 4 de junho de 2011.
  84. Google Maps. Página visitada em 4 de junho de 2011).
  85. a b Portal Amazônia. Cultura da Amazônia. Página visitada em 1 de fevereiro de 2011.
  86. a b Com Ciência. As Várias Faces da Amazônia: Migrações, Deslocamentos e Mobilidade Social na Região Norte. Página visitada em 1 de fevreiro de 2011.
  87. Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região (3 de setembro de 2010). Portaria suspende portaria na VT de Eirunepé nos dias 8 de setembro e 4 de outubro. JusBrasil. Página visitada em 4 de junho de 2011.
  88. Sérgio Ferreira Pantaleão. Carnaval - é ou não feriado? folga automática pode gerar alteração contratual (em português). Guia Trabalhista. Página visitada em 4 de junho de 2011.
  89. Presidência da República. Lei n.º 9.093, de 12 de setembro de 1995. Página visitada em 4 de junho de 2011.

Bibliografiaeditar | editar código-fonte

  • DEAN, Warren. A luta pela borracha no Brasil: um estudo de história ecológica. São Paulo: Nobel, 1989.

Ligações externaseditar | editar código-fonte

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikcionário Definições no Wikcionário
Wikisource Textos originais no Wikisource
Commons Categoria no Commons
Este é um artigo bom. Clique aqui para mais informações.







Creative Commons License