Francisco Inácio Marcondes Homem de Melo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Barão Homem de Melo Academia Brasileira de Letras
Nome completo Francisco Inácio Marcondes Homem de Melo
Nascimento 1 de maio de 1837
Pindamonhangaba
Morte 4 de janeiro de 1918 (80 anos)
Campo Belo
Nacionalidade Império do Brasil Brasileiro
Ocupação Político, escritor, professor, cartógrafo e nobre

Francisco Inácio Marcondes Homem de Melo, primeiro e único barão de Homem de Melo, (Pindamonhangaba, 1 de maio de 1837Campo Belo, 4 de janeiro de 1918) foi um político, escritor, professor, cartógrafo e nobre brasileiro.

Biografiaeditar | editar código-fonte

Filho do visconde de Pindamonhangaba, o coronel da Guarda Nacional Francisco Marcondes Homem de Melo e de Ana Francisca de Melo. Muito jovem foi enviado para estudar no Seminário de Mariana em Minas Gerais. Concluídos os preparatórios, ingressou na Faculdade de Direito do Largo de São Francisco, onde se formou em 1858.

Voltando para a terra natal, ingressou na política pelo Partido Liberal, elegendo-se vereador e logo presidindo a câmara (1860 — 1861).

Foi nomeado professor concursado de "História Universal" do Colégio Pedro II, na capital do império, Rio do Janeiro, onde lecionou até 1864, quando foi exonerado, a pedido, por ter sido nomeado presidente da província de São Paulo. Iniciou então sua vida pública, interrompida com a Proclamação da República.

Retorna, então, para o magistério, à cartografia e à literatura. Foi professor de história e geografia do Colégio Militar do Rio de Janeiro e de mitologia na Escola Nacional de Belas Artes, lecionando depois história das artes.

Membro do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (ingresso em 1859, dele sendo o presidente, posteriormente), do Instituto Histórico de São Paulo, do Instituto Geográfico Argentino, e da Academia Brasileira de Letras. Homem de Melo também dirigiu a Biblioteca Nacional - dentre inúmeras outras instituições.

Armas do barão de Homem de Melo.

Homem de Melo não teve filhos, em dois casamentos. O primeiro, com sua prima Maria Joaquina Marcondes Ribas, da qual ficou viúvo, casando-se novamente com Julieta Unzer.

Títuloseditar | editar código-fonte

  • Comendador da Imperial Ordem da Rosa - 1867;
  • Barão de Homem de Melo - 1877;
  • Major honorário do exército brasileiro.

Vida públicaeditar | editar código-fonte

Intensa e importante vida pública exerceu o Barão Homem de Melo. Além do cargo de vereador e do governo de São Paulo, presidiu ainda as províncias do Ceará (1865 — 1866), do Rio Grande do Sul (1867 — 1868) - quando organizou o III Exército, sob o comando do general Osório, para a luta na Guerra do Paraguai - e a da Bahia, de 1878 a 1879.

Foi diretor do Banco do Brasil em dois períodos, e ainda Inspetor da Instrução do Rio de Janeiro, cargo cumulado ao de presidente da Cia. Estrada de Ferro Rio-S. Paulo (Estrada de Ferro D. Pedro II). Foi enquanto presidente desta que recebeu o título de Barão, quando da inauguração da linha entre São Paulo e Cachoeira Paulista.

Em 1880 integrou o Gabinete Saraiva, como ministro de negócios do Império.

Barão Homem de Melo foi combativo abolicionista. Apesar de favorável à causa, não fez-se republicano - o que provocou seu afastamento da política, quando da mudança de regime.

Governo da Bahiaeditar | editar código-fonte

Capa do Relatório de Governo da Bahia

Em seu relatório de governo, apresentado à assembléia legslativa da província em 1 de maio de 1878, registrou o barão Homem de Melo:

Nomeado para o cargo de Presidente desta Província por Carta Imperial de 19 de janeiro deste ano, prestei juramento perante a Câmara Municipal e tomei posse da administração no dia 25 de fevereiro último.
Felicito-me hoje de, em tão curto período, aqui encontrar-me no seio da Representação Provincial, tendo a vantagem de inspirar-me em vossos votos e receber o impulso de vossa iniciativa, para juntos promovermos a prosperidade da Província.

Sua principal obra pública na capital foi a abertura da passagem na montanha - ligando as cidades Alta e Baixa (com extensão de 661,9 m e ligando a então "rua do Ourives" ao "Largo do Teatro" - conhecida em Salvador por "Ladeira da Montanha", mas nomeada em homenagem ao Barão. Procedeu à reforma e melhoramento do Teatro Santo Antônio, reabriu o Hospital de Mont-Serrat (fechado meses antes e destinado ao tratamento da febre amarela e, sendo professor, manifestou grande preocupação com a melhoria das condições da Escola Normal, ouvindo de normalistas e professores reivindicações que julgava justas e acertadas, assinalando que da melhoria do ensino adviriam todas as outras.

Em seu governo foi extinta a colônia alemã do Rio Branco, cujos colonos pediram para ser transferidos para o Rio de Janeiro (composta de 76 pessoas), e Homem de Melo pretendeu ali estabelecer os retirantes cearenses que então aportavam em Salvador.

Academia Brasileira de Letraseditar | editar código-fonte

Em 1917 o Barão foi eleito para a Academia, mas não chegou a tomar posse, pois faleceu antes disso. Seria recebido por Félix Pacheco. Ocupou a Cadeira 18, que tem por Patrono João Francisco Lisboa, da qual foi o segundo Imortal.

Obraseditar | editar código-fonte

Uma das obras do Barão Homem de Melo

O Barão Homem de Melo escreveu algumas biografias, colaborava para as publicações do Instituto Geográfico e Histórico do Brasil e diversos jornais. Como geógrafo e cartógrafo, publicou um Atlas do Brasil, e outros. Dentre seus livros, destacam-se:

  • Esboços biográficos (2 vols.) - 1858
  • Esboços biográficos (2 vols.) - 1862
  • Escritos históricos e literários - 1868
  • A Constituinte perante a história - 1863
  • Mitologia e Cosmogonia (identificação das divindades gregas e romanas, emblemas dos deuses) - 1896
  • Aula de História da Arte - 1897
  • Biografia de Hipólito José da Costa Pereira - 1871
  • A minha nebulosa - poesia - 1903
  • O Brasil de hoje - 1905
  • Subsídios para a organização da Carta Física do Brasil - Cartografia - 1876

O Brasil de Hoje (excerto)editar | editar código-fonte

Publicado em 1905, O Brasil de Hoje compõe-se de relatos que sustentam as opiniões do Barão, sem contudo deixar de conter um certo humor, ao mostrar a realidade. Na passagem abaixo narra com indignação algo que ainda é atual: o café brasileiro é completamente desvalorizado no exterior:

O certo é que o nosso café continua, em Paris, Londres, Berlim, Roma, Nápoles, a ser exposto à venda, com letreiros bem visíveis que o dão como originário de Moka, Java, Guadalupe, México e até Mont Pellé!
Em diversas localidades, constatando a falsa designação dada ao nosso café, a pretexto de comprar, pedíamos nos servissem gênero de procedência brasileira.
Ninguém o conhecia, e algum negociante que dele tinha notícia não o vendia no seu estabelecimento, porque não era... bon marché.
No mostrador de uma loja de Genebra, vi anunciado à venda Café Santos.
Entrei e pedi - café brasileiro.
O proprietário da casa respondeu-me que não tinha, nem conhecia essa marca.
- Mas, este Café Santos de onde procede?
- Ora, da República da Argentina.

Bibliografiaeditar | editar código-fonte

Ligações externaseditar | editar código-fonte


Precedido por
Manuel Joaquim do Amaral Gurgel
Presidente da Província de São Paulo
1864
Sucedido por
Joaquim Floriano de Toledo
Precedido por
Lafayette Rodrigues Pereira
Presidente da província do Ceará
1865 — 1866
Sucedido por
João de Sousa Melo e Alvim
Precedido por
Antônio Augusto Pereira da Cunha
Presidente da província do Rio Grande do Sul
1867 — 1868
Sucedido por
Joaquim Vieira da Cunha
Precedido por
Henrique Pereira de Lucena
Presidente da província da Bahia
1878
Sucedido por
Antônio de Araújo Aragão Bulcão
Precedido por
João Lins Vieira Cansanção de Sinimbu
Ministro da Guerra do Brasil
1880
Sucedido por
José Antônio Correia da Câmara
Precedido por
Carlos Leôncio da Silva Carvalho
Ministro dos Negócios do Império do Brasil
1880
Sucedido por
'
Precedido por
José Veríssimo
Lorbeerkranz.png ABL - segundo acadêmico da cadeira 18
1917 — 1918
Sucedido por
Alberto Faria









Creative Commons License