Ilha de Perejil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ilha Perejil - região circulada
Vista da ilha de Perejil desde a costa african.

A ilha de Perejil,1 em árabe ليلى, Laila ou Leila, ou também تورا Tura, é uma ilhota desabitada perto da cidade de Ceuta, a poucos metros da costa de Marrocos, no estreito de Gibraltar. A sua soberania é disputada entre a Espanha e Marrocos, ocasionando uma confrontação entre as forças de ambos os países em 2002.2

Soberaniaeditar | editar código-fonte

Em nossos dias encontra-se desabitada e sem existir nenhum símbolo de soberania por parte dos dois países que reclamam o ilhote como próprio (Espanha e Marrocos). Espanha afirma que Perejil faz parte do seu território, se bem que sua situação político-administrativa é obscura, já que não é nem parte da cidade autônoma de Ceuta (o projeto de Estatuto de Autonomia de Ceuta3 incluía o ilhote como território da cidade, mas a referência foi retirada ante os protestos de Marrocos) nem considerado Praça de soberania. Para Marrocos, a sua soberania não oferece dúvidas jurídicas e faz parte do seu território nacional.4 Esta disputa resultou finalmente num célebre incidente em 2002 entre ambos os países. Após este incidente, ambos os países assinaram uma nota na qual se comprometiam a voltar à situação anterior ao incidente, de jeito que o ilhote foi evacuado sem abandonar nenhum dos dois, porém, suas pretensões territoriais.5

Ver tambémeditar | editar código-fonte

Referências

  1. que significa "ilha da salsa")
  2. LaTricolor (portal republicano espanhol) "EL FALSO CONTENCIOSO DE ISLA PEREJIL", pela historiadora Maria Rosa de Madariaga
  3. Anteprojeto de Estatuto da cidade de Ceuta, 26 de Fevereiro de 1986.
  4. no comunicado de imprensa emitido pela agência oficial marroquina Maghreb Arabe Presse, o ilhote foi descrito como situado em l'intéreur des eaux territoriales du royaume, "no interior das águas territoriais do reino"). Ver Rabat et Madrid se disputent un îlot désertique, artigo da Radio France Internacional, 17 de Julho de 2002, em francês.
  5. A nota pode ser consultada na web do Ministerio de Asuntos Exteriores da Espanha









Creative Commons License