Intentona Comunista

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Emblem-scales.svg
A neutralidade desse artigo (ou seção) foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão. (desde dezembro de 2012)
Justifique o uso dessa marca na página de discussão e tente torná-lo mais imparcial.
Monumento intentona comunista 1935.jpg
Monumento aos soldados mortos durante a Intentona Comunista, localizado na Praia Vermelha, Urca (Rio de Janeiro).
Conflitos na História do Brasil
Período Republicano
República Velha
1ª Revolta de Boa Vista: 1892-1894
Revolta da Armada: 1893-1894
Revolução Federalista: 1893-1895
Guerra de Canudos: 1893-1897
Revolta da Vacina: 1904
2ª Revolta de Boa Vista: 1907-1909
Revolta da Chibata: 1910
Guerra do Contestado: 1912-1916
Sedição de Juazeiro: 1914
Greves Operárias: 1917-1919
Revolta dos Dezoito do Forte: 1922
Revolução Libertadora: 1923
Revolução de 1930: 1930
Era Vargas
Revolução Constitucionalista: 1932
Intentona Comunista: 1935
Levante Integralista: 1938
Regime Militar
Guerrilha do Caparaó: 1967
Guerrilha do Araguaia: 1967-1974
Revolta dos Perdidos: 1976


Intentona Comunista, também conhecida como Revolta Vermelha de 35 e Levante Comunista, foi uma tentativa de golpe contra o governo de Getúlio Vargas realizado em novembro de 1935 pelo PCB (na época, Partido Comunista do Brasil) em nome da Aliança Nacional Libertadora.

Históriaeditar | editar código-fonte

A Revolta Vermelha de 1935 inscreve-se como conspiração de natureza político-militar, pelas suas reivindicações políticas imediatas (de protesto político-institucional contra um governo autoritário) dentro do quadro dos movimentos tenentistas realizados no Brasil desde a década de 1920. No entanto, articularam-se estas reivindicações, sob influência comunista, à ideia de uma revolução "nacional-popular" contra as oligarquias, o imperialismo e o autoritarismo, possuindo nas suas reivindicações menos imediatas, aspectos como: a abolição da dívida externa, a reforma agrária, o estabelecimento de um governo de base popular - em outras palavras, uma revolução "nacional-libertadora", que, embora estabelecida por um movimento armado, não se propunha a ultrapassar o quadro da ordem social burguesa (como afirmado, à época, por um dos líderes do movimento, o capitão Agildo Barata).

Esta confluência de influências corporificou-se na pessoa de seu principal líder, Luís Carlos Prestes, capitão do Exército Brasileiro e líder tenentista convertido ao comunismo, que dirigiu o levante - à revelia da liderança formal do Partido Comunista do Brasil, e em articulação direta com a direção da Internacional Comunista, que mantinha junto a Prestes um grupo de militantes comunistas internacionais, composto pela companheira de Prestes, a comunista alemã Olga Benário, além do argentino Rodolfo Ghioldi, o alemão Arthur Ernest Ewert, Ranieri Gonzales e alguns outros militantes ligados ao Comitê Executivo da Internacional Comunista (CEIC).

A direita brasileira sempre caracterizou esta interferência do Comintern no movimento como prova do seu caráter antinacional, em que os militantes brasileiros teriam agido como simples fantoches do comunismo internacional. Deve-se levar em conta, no entanto, que, se o Comintern estalinista da época desejava levar a cabo uma revolução vitoriosa sob sua inspiração a qualquer custo - de forma a tirar de Stalin a pecha de "grande organizador de derrotas" que lhe havia sido atribuída por Trótski após o fracasso das revoluções na China em 1927, na Alemanha em 1923 e na tomada do poder por Hitler em 1933 - o fato é que Prestes especulou fortemente sobre o seu prestígio e sua capacidade de articulação política para prevalecer sobre a direção formal do Partido brasileiro - no processo marginalizando o então secretário-geral do Partido, Antônio Bonfim, o "Miranda" - e conseguir o apoio direto do CEIC a suas políticas - cujas premissas revelar-se-iam cabalmente equivocadas.

Num primeiro momento, Prestes parecia considerar que o programa nacionalista da ANL seria capaz de permitir-lhe impor-se como um movimento de massa legal capaz de atrair apoios tanto entre a classe operária e o campesinato como também entre a burguesia "progressista" de tendências anti-imperialista e antifascista - para depois, quando o governo Getúlio Vargas declarou a Aliança ilegal - com o apoio da burguesia e da classe média, que temiam a infiltração comunista no movimento - optar, com o apoio do CEIC, por uma ação revolucionária concebida em termos de uma mera ação militar.

O levante eclodiu em pontos esparsos do território nacional, a saber:

Fora de Natal, onde chegou a ser instalado um governo revolucionário provisório, o levante seguiu o padrão de um golpe militar clássico, limitando-se a ataques de militares rebeldes a quarteis. O último levante, no Rio de Janeiro, na Escola da Praia Vermelha e na Vila Militar, é considerado por alguns autores apenas como um ato de lealdade dos conspiradores sediados nessa cidade, pois havia ficado claro que o movimento não teria chances reais de revolucionar o país.

No Rio de Janeiro, as proporções do movimento foram mais amplas e cruéis, tendo sido deflagrado, simultaneamente, no 3º Regimento de Infantaria, na Praia Vermelha; no 2º Regimento de Infantaria e no Batalhão de Comunicações, na Vila Militar; e na Escola de Aviação, no Campo dos Afonsos. Os amotinados, companheiros de véspera, teriam, de acordo com a versão legalista, ferido e matado indiscriminada e covardemente seus companheiros que dormiam -versão esta que até hoje gera margem a dúvidas, já que os quartéis do Rio estavam em prontidão após os levantamentos revolucionários no Norte do País, e em tais circunstâncias seria extremamente difícil encontrar oponentes inermes a serem massacrados de tal forma. Seja como for, a luta foi atroz e sem quartel, com os insurretos tentando expandir a rebelião a todo custo, esbarrando na mais férrea resistência das forças legalistas, e -finalmente - perdendo a luta.

Por trás da estratégia equivocada do levante estava, de um lado, a superestimação que Prestes fazia de seu prestígio no interior do Exército brasileiro, de outro, a crença da IC de que, numa sociedade "semicolonial", bastaria proclamar o movimento para produzir uma sublevação espontânea que englobaria de militares a operários e "cangaceiros partisans [guerrilheiros](sic)". Prestes também teria sabotado o próprio levante despropositadamente, uma vez que enviara ao comandante do Grupo de Obuses de São Cristóvão Newton Estillac Leal um convite para participar do golpe, fazendo com que o Governo tomasse conhecimento da rebelião mesmo antes dela acontecer.1

O episódio mais dramático do levante comunista foi a tentativa de conquistar o Regimento de Aviação no Campo dos Afonsos, à época integrante do Exército (a Força Aérea Brasileira só seria criada em 1941), visando obter aeronaves para bombardear a cidade do Rio de Janeiro.

As unidades legalistas da Vila Militar, conseguiram instalar peças de artilharia para bombardear a pista e evitar que aviões decolassem. O assalto final foi realizado com uma carga de infantaria com apoio da artilharia, que retomou as instalações revoltadas.

Uma vez reprimido e derrotado , o movimento foi submetido a intensa desmoralização- a começar pelo nome pejorativo e desqualificante que recebeu ("Intentona", ou "intento louco") - por parte das cúpulas militares; como lembra o militar esquerdista Nélson Werneck Sodré nas suas memórias, a participação intensa de oficiais e suboficiais nas fileiras dos insurretos alertou o Exército para a necessidade de cerrar fileiras ideológicas, e de expurgar "influências exógenas" no interior da oficialidade militar nas três décadas seguintes. Tal cisão ideológica viria a expressar-se nas disputas políticas no interior do Clube Militar da década de 1950, no movimento dos sargentos da década de 1960, e daí até o Golpe de 1964, após o qual quaisquer traços de esquerdismo organizado foram eliminados das fileiras militares. Diferentemente dos golpes tenentistas, que haviam criado divisões temporárias entre legalistas e insurretos, superáveis posteriormente por anistias e reorganizações de carreira, o Movimento de 1935 criou uma clivagem político-ideológica até hoje não superada, em que os insurretos tiveram negada a sua própria condição de membros da corporação militar, com sua ação política sendo duradouramente criminalizada e estigmatizada como traição e ato hostil à hierarquia militar.

Até ao governo do Presidente Fernando Henrique Cardoso, anualmente, na data de 27 de novembro, eram realizadas comemorações públicas pelo Exército brasileiro, no Cemitério São João Batista, no Rio de Janeiro, em homenagem aos militares legalistas mortos durante a intentona, que se caracterizavam pela intensidade das manifestações anticomunistas da cúpula militar a que davam oportunidade, daí terem sido interrompidas as solenidades quando do fim da Guerra Fria e da consolidação do regime constitucional restabelecido em 1985. O monumento aos mortos legalistas do movimento ergue-se na Praia Vermelha.

A repressão ao movimento permitiu que o Congresso Nacional decretasse o Estado de Guerra, com uma erosão decisiva nas liberdades e garantias individuais liberais-democráticas, o que preparou o caminho para que Getúlio Vargas decretasse o Estado Novo em 1937, reforçado pelo chamado Plano Cohen de 1937.

Relação dos mortos no 3º Regimento de Infantariaeditar | editar código-fonte

  • 1. Abdiel Ribeiro dos Santos - 3º Sargento
  • 2. Alberto Bernardino de Aragão - 2º Cabo
  • 3. Armando de Souza Mello - Major
  • 4. Benedito Lopes Bragança - Capitão
  • 5. Clodoaldo Ursulano - 2º Cabo
  • 6. Coriolano Ferreira Santiago - 3º Sargento
  • 7. Danilo Paladini - Capitão
  • 8. Fidélis Batista de Aguiar - 2º Cabo
  • 9. Francisco Alves da Rocha - 2º Cabo
  • 10. Thadeu Augusto Lima Costa - 3º Cabo
  • 11. Geraldo de Oliveira - Capitão
  • 12. Jaime Pantaleão de Moraes - 2º Sgt
  • 13. João de Deus Araújo - Soldado
  • 14. João Ribeiro Pinheiro - Major
  • 15. José Bernardo Rosa - 2º Sargento
  • 16. José Hermito de Sá - 2º Cabo
  • 17. José Mário Cavalcanti - Soldado
  • 18. José Menezes Filho - Soldado
  • 19. José Sampaio Xavier - 1º Tenente
  • 20. Lino Vitor dos Santos - Soldado
  • 21. Luiz Augusto Pereira - 1º Cabo
  • 22. Luiz Gonzaga - Soldado
  • 23. Manoel Biré de Agrella - 2º Cabo
  • 24. Misael Mendonça -T.Coronel
  • 25. Orlando Henrique - Soldado
  • 26. Pedro Maria Neto - 2º Cabo
  • 27. Péricles Leal Bezerra - Soldado
  • 28. Walter de Souza e Silva - Soldado
  • 29. Wilson França - Soldado
  • 30. Jeferson Almeida Xavier - Soldado
  • 31. Bolívar Bueno -Soldado( personagem fictício do romance A Escola,ver bibliografia)
  • 32. Adalberto Noronha Ventura - 2° Sgt

Dados oficiais do Exército

Notas

  1. William Waack, Camaradas, Companhia das Letras, 1993, páginas 225

Bibliografiaeditar | editar código-fonte

  • Estratégias da Ilusão, de Paulo Sérgio Pinheiro, São Paulo, Cia. das Letras,1992 - estudo acadêmico sobre a Intentona e a cultura política comunista da época.
  • Revolucionários de 1935, de Marly de Almeida Gomes Viana, São Paulo, Cia. das Letras, 1992 - História narrativa do movimento.
  • Memórias do Cárcere, por Graciliano Ramos, narrando o clima político à época e a repressão no país.
  • O Cavaleiro da Esperança de Jorge Amado(1a. edição Editorial Vitória, Rio, várias edições subseqüentes), biografia comunista "oficial" de Prestes escrita em 1945, às vésperas de uma anistia, com uma defesa de suas posições e do movimento de 1935.
  • Olga, biografia de Fernando Morais sobre a revolucionária Olga Benário Prestes, mulher de Luís Carlos Prestes e um dos principais personagens da Intentona
  • Memórias de um Soldado, de Nélson Werneck Sodré (1a. edição Civilização Brasileira, Rio, 1967) descrição memorialística de um militar esquerdista e General de Brigada da reserva sobre as lutas ideológicas no Exército da época, que trata de passagem dos impacto político de 1935 (do qual o autor não participou diretamente).
  • Camaradas de Willian Waack, São Paulo, Cia das Letras - obra sobre o movimento de 1935, tendo como base os arquivos soviéticos disponibilizados ao público após a Guerra Fria.
  • "A Escola" de Miguel M. Abrahão é uma peça teatral publicada em 1983,que tem como pano de fundo os anos 30, durante a ditadura do Governo Vargas e retrata o fictício personagem Bolivár Bueno,que teria participado do movimento no romance.

Referências

Ligações externaseditar | editar código-fonte








Creative Commons License