José Américo de Almeida

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
José Américo de Almeida Academia Brasileira de Letras
Nascimento 10 de janeiro de 1887
Areia
Morte 10 de março de 1980 (93 anos)
João Pessoa
Nacionalidade  Brasileiro
Ocupação Escritor, romancista, ensaísta, poeta, cronista, político, advogado, professor universitário, folclorista e sociólogo.

José Américo de Almeida (Areia, 10 de janeiro de 1887João Pessoa, 10 de março de 1980) foi um escritor (romancista, ensaísta, poeta e cronista), político, advogado, professor universitário, folclorista e sociólogo brasileiro.1

Formou-se em direito pela Faculdade de Direito do Recife em 1908, tendo sido promotor público da comarca do Recife, promotor público da comarca de Sousa na Paraíba, procurador geral do estado da Paraíba aos vinte e quatro anos de idade, secretário de governo, deputado federal, interventor,1 ministro da Viação e Obras Públicas nos dois governos de Getúlio Vargas, senador, ministro do Tribunal de Contas da União, governador da Paraíba, fundador da Universidade Federal da Paraíba e seu primeiro reitor. Américo chegou a ser pré-candidato à Presidência da República, apoiado por Vargas para as eleições de 1938, porém as mesmas não aconteceram, em razão do golpe dado por Getúlio em 1937, que deu início à ditadura do Estado Novo.1

Destacou-se no cenário nacional com a publicação de A bagaceira (1928), romance inaugural do chamado Romance de 30.

Lorbeerkranz.pngAcademia Brasileira de Letraseditar | editar código-fonte

Foi o quinto ocupante da cadeira 38 da Academia Brasileira de Letras, tendo sido eleito em 27 de outubro de 1966, na sucessão de Maurício Campos de Medeiros, e recebido pelo acadêmico Alceu Amoroso Lima em 28 de junho de 1967.1

Obras literáriaseditar | editar código-fonte

  • Reflexões de uma cabra, 1922
  • A Paraíba e seus problemas, 1923
  • A bagaceira, 1928
  • O boqueirão, 1935
  • Coiteiros, 1935
  • Ocasos de sangue, 1954
  • Discursos de seu tempo, 1964
  • A palavra e o tempo, 1965
  • O ano do nego, 1968
  • Eu e eles, 1970
  • Quarto minguante, 1975
  • Antes que me esqueça, 1976
  • Sem me rir, sem chorar, 1984
  • A Maldição da Fábrica

Documentárioeditar | editar código-fonte

O documentário "O Homem de Areia" (1981) de Vladimir Carvalho, conta a trajetória de vida de José Américo de Almeida. Pouco depois do início, Jorge Amado e sua esposa aparecem e homenageiam José Américo e sua obra "A Bagaceira". Amado diz que se não tivesse lido o livro de José Américo, não teria escrito Cacau.

José Américo concede uma longa entrevista na qual responde perguntas sobre momentos históricos da política do país que testemunhou e protagonizou, iniciando com a crise na Paraíba que culminou com o assassinato do presidente João Pessoa. Afirma que, como político, não era eficiente no dia a dia dos governos, mas era capaz de arregimentar e aglutinar as massas com seus discursos em praça pública. Cita a frase de sua autoria "Vamos fazer a política dos pobres, pois a dos ricos já está feita". O escritor Ariano Suassuna aparece em breve depoimento comentando os fatos narrados por José Américo (de quem era adversário político) em suas memórias sobre João Dantas (que assassinou João Pessoa). José Américo também fala sobre Luis Carlos Prestes. Disse que a Coluna Prestes só fazia inimigos por onde passou no Nordeste, em função de constantemente praticarem roubos de bens da populações simples. Ele conta que dizia que se fossem fazer a revolução, "que não roubassem cavalos!".

Outra personalidade com quem o escritor conviveu foi Getúlio Vargas. Depois de chegar ao poder após a Revolução de 1930, José Américo sofreu um golpe de Getúlio ao ter a sua candidatura ao Governo em 1937 impedida pela instalação do Estado Novo. Em 1945, José Américo deu uma entrevista em favor da liberdade da imprensa e com a repercussão da mesma, conta que Getúlio achou que ele contasse com uma grande força por trás, o que teria favorecido a saída do governo do ditador pouco tempo depois. Em 1954, José Américo, que tinha reatado com Getúlio e assumira um ministério, era favorável à renúncia, quando recebeu a notícia do suicídio do Presidente. Já nos anos finais da vida, quando se falava em Abertura política, José Américo é indagado sobre a Reforma Agrária e a distribuição das terras banhadas pelos açudes. Construções, aliás, sobre os quais se dizia que só beneficiavam as terras dos grandes proprietários nordestinos.

Referências

  1. a b c d José Américo de Almeida (em português). Enciclopédia Mirador Internacional. UOL - Educação. Página visitada em 10 de janeiro de 2013.

Ligações externaseditar | editar código-fonte

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre José Américo de Almeida


Precedido por
Álvaro Pereira de Carvalho
Interventor federal na Paraíba
1930
Sucedido por
Antenor de França Navarro
Precedido por
Juarez Távora
Ministro dos Transportes do Brasil
1930 — 1934
Sucedido por
Fernando Augusto de Almeida Brandão
Precedido por
Osvaldo Trigueiro de Albuquerque Melo
Governador da Paraíba
1951 — 1956
Sucedido por
Flávio Ribeiro Coutinho
Precedido por
Francisco Mendes
Ministro dos Transportes do Brasil
1953 — 1954
Sucedido por
Lucas Lopes
Precedido por
Maurício Campos de Medeiros
Lorbeerkranz.png ABL - quinto acadêmico da cadeira 38
1966 — 1980
Sucedido por
José Sarney









Creative Commons License