Língua trácia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Língua trácia
Falado em: Trácia
Extinção: século V
Família: Indo-europeu
Escrita: Alfabeto grego
Códigos de língua
ISO 639-1: --
ISO 639-2: ine
ISO 639-3: txh

Tópicos indo-europeus

Línguas indo-europeias
Albanês · Anatólio · Armênio
Báltico · Céltico · Dácio · Germânico
Grego · Indo-iraniano · Itálico · Frígio
Eslavo · Trácio · Tocariano
 
Povos indo-europeus
Albaneses · Anatólios · Armênios
Bálticos · Celtas · Germanos
Gregos · Indo-arianos · Indo-iranianos
Iranianos · Ítalos · Eslavos
Trácios · Tocarianos
 
Proto-indo-europeus
Língua · Sociedade · Religião
 
Hipóteses Urheimat
Hipótese Kurgan · Hipótese anatólia
Hipótese armênia · Hipótese indiana · TCP
 
Estudos indo-europeus

A língua trácia foi a língua indo-européia falada na Antiguidade pelos trácios no sudeste da Europa.

Distribuição geográficaeditar | editar código-fonte

Excluindo o dácio, cujo status como uma língua trácia é contestado1 , o trácio era falado por um grande número de pessoas no que hoje é o sul e o centro da Bulgária, partes da Sérvia, República da Macedônia, norte da Grécia (especialmente antes da expansão dos antigos macedônios), por toda a Trácia (incluindo a Turquia européia) e em partes da Bitínia (noroeste da Turquia asiática).

Incluindo o dácio/gético, era falado na Romênia, norte da Bulgária, partes da Sérvia, da Moldávia, Ucrânia centro-ocidental, Hungria oriental e Eslováquia.

Fonteseditar | editar código-fonte

Por ser uma língua extinta com apenas umas poucas inscrições a ela relacionadas, há pouco conhecimento sobre a língua trácia, mas várias características são conhecidas e consentidas. Algumas palavras trácias podem ser encontradas citadas em textos antigos2 (esta lista exclui nomes dácios de plantas que todavia são às vezes incluídos):

cf. lituano asỹs, "rabo-de-cavalo"; letão ašas, "rabo-de-cavalo, espécie de caniço, pressa", relacionado ao letão ašs, ass, "afiado, agudo"; búlgaro antigo ostrǔ, "afiado, agudo"; búlgaro e macedônio ostar, "afiado, agudo"; lituano aštrùs, "afiado, agudo".
  • bolinthos, "touro selvagem";
búlgaro e macedônio vol, "um touro, bisão"; inglês bull, "touro".
  • bria, "cidade, vila".
  • brynchos, "violão";
cf. romeno broancă, "instrumento de corda"; russo brenčat', "tocar um instrumento de corda"; polonês brzek, "toque, discar, tocar"; búlgaro e macedônio brumchi, "um som tocando".
  • brytos, bryton, brutos, bryttion, "um tipo de cerveja feita de cevada";
cf. inglês broth, "sopa de carne, caldo"; galês brwd "mistura"; latim defrutum, "necessário ferver"; grego apéphrysen, "ferver, fervura"; eslavo vriti, "ferver, fervura", vrutok, "mola forte, água fervendo"; sânscrito bhurati, "ele treme"; albanês brumë, "massa de farinha".
  • dinupula, *sinupyla, "abóbora selvagem";
cf. búlgaro e macedônio dinya, "uma melancia"; lituano šúnobuolas, "abóbora selvagem"; albanês thënukël, "tipo de fruto de arbusto".
  • genton, "carne".
  • kalamindar, "plátano".
  • kemos, "um tipo de fruta com folículos".
  • ktistai, "trácios vivendo em celibato, monges".
  • mendruta, um nome moésio para a beterraba ou alternativamente a designação do Veratrum nigrum.
  • rhomphaia, "uma lança", depois o significado "espada" é atestado;
cf. macedônio rofia, "um raio", "a espada de Deus"; búlgaro roféya, rufia, "um raio"; albanês rrufë, "um raio".
  • skalme, "uma faca, uma espada".
  • skarke, "uma moeda".
  • spinos, "uma pedra que queima quando se derrama água sobre ela".
  • torelle, "um lamento, uma canção fúnebre".
  • zalmos, zelmis, "um esconderijo, pele";
cf. alemão Helm, "capacete"; lituano šálmas, "capacete"; prussiano antigo salmis, "capacete"; eslavo antigo šlĕmŭ, "invólucro, tampa"; sânscrito śárman, "invólucro, tampa".
  • zeira, zira, "um tipo de sobretudo (roupa)".
  • zelas, "vinho";
russo zelye, "uma mistura fermentada".
  • zetraia, "um pote";
grego chutra (χύτρα), "pote";
  • zibythides, "o nobre trácio, homens e mulheres";
lituano zhibut, "fogo, luz"; macedônio e sérvio shibytsa, "uma vareta brilhante"; búlgaro e macedônio shibam, "bater, golpear, chicotear, açoitar".

Além disso, há muitas palavras e prováveis palavras extraídas de antropônimos, topônimos, hidrônimos, orônimos e outros elementos léxicos encontrados em fontes antigas e bizantinas:

  • -disza, -diza, -dizos, "uma povoação fortificada";
cf. eslavo zidati, sozidati, (po)dizati, "construir".
  • -para, -pera, -paron, etc, "uma cidade".

Várias prováveis palavras trácias são encontradas em inscrições (a maioria delas escritas com o alfabeto grego) em edifícios, moedas e outros artefatos (ver inscrições abaixo).

Outra fonte do vocabulário trácio são palavras de etimologia desconhecida ou contestada encontradas no búlgaro e no macedônio assim como no romeno. O albanês é às vezes considerado como descendente do dácio ou do trácio, ou como descendente do ilírio mesclado com o daco-trácio; assim, o léxico albanês é outra fonte.

Palavras trácias no léxico do grego antigo também são propostas. Elementos léxicos gregos talvez derivem do trácio como, por exemplo, balios, "manchado, colorido", do PIE *bhel-, "brilhar". Julius Pokorny também cita o ilírio como uma possível fonte; bounos, "colina, monte".

Inscriçõeseditar | editar código-fonte

Apenas quatro inscrições trácias foram encontradas. Uma está em um anel de ouro encontrado em 1912 na cidade de Ezerovo, na Bulgária. O anel foi datado com sendo do século V a.C. No anel há uma inscrição escrita com o alfabeto grego que diz:

ΡΟΛΙΣΤΕΝΕΑΣΝ / ΕΡΕΝΕΑΤΙΛ / ΤΕΑΝΗΣΚΟΑ / ΡΑΖΕΑΔΟΜ / ΕΑΝΤΙΛΕΖΥ / ΠΤΑΜΙΗΕ / ΡΑΖ / ΗΛΤΑ
rolisteneasn / ereneatil / teanēskoa / razeadom / eantilezu / ptamiēe / raz / ēlta

O significado da inscrição não é conhecido e não se parece com qualquer língua conhecida. Estudiosos de trácio como Georgiev e Dechev propuseram várias traduções para a inscrição, mas são apenas conjecturas.

Uma segunda inscrição foi encontrada em 1965 próximo à vila de Kjolmen, no distrito de Preslav, datada do século VI a.C. Consiste de 56 letras do alfabeto grego, provavelmente um epitáfio tumular semelhante aos frígios:

ΕΒΑΡ. ΖΕΣΑΣΝ ΗΝΕΤΕΣΑ ΙΓΕΚ.Α / ΝΒΛΑΒΑΗΕΓΝ / ΝΥΑΣΝΛΕΤΕΔΝΥΕΔΝΕΙΝΔΑΚΑΤΡ.Σ
ebar. zesasn ēnetesa igek. a / nblabaēgn / nuasnletednuedneindakatr.s

Uma terceira inscrição está novemente em um anel, encontrado em Duvanli, no distrito de Plovdiv, perto da mão esquerda de um esqueleto. Data do século V a.C. O anel possui a imagem de um cavaleiro com a inscrição envolvendo a imagem. Está apenas parcialmente legível:

ΗΖΙΗ..... ΔΕΛΕ / ΜΕΖΗΝΑΙ
ēziē..... dele / mezēnai

ΜΕΖΗΝΑΙ provavelmente corresponde a Menzana, o "cavalo deus" messápio, a quem os cavalos eram sacrificados, comparável também ao albanês mes, mezi e ao romeno mânz, "potro", derivado do PIE *mend(i)-, "cavalo".

Estas são as maiores inscrições preservadas. As restantes são na maioria palávras isoladas ou nomes em vasilahmes e outros artefatos. Além disso, elementos léxicos trácios têm sido retirados de inscrições em grego e em latim.

Em uma inscrição latina de Roma tratando de um cidadão da província romana da Trácia, encontra-se a frase Midne potelense; isto é interpretado como a indicação do lugar trácio de origem, Midne sendo visto como o equivalente trácio do latim vicus, "vila". Se isto estiver correto, a palavra trácia tem um cognato próximo no letão (mitne, "uma residência"), uma língua báltica. Poderia ser associada também com o termo búlgaro para "local de residência", mitnitsa.

Classificaçãoeditar | editar código-fonte

O trácio era uma língua indo-européia, uma língua satem. Os detalhes e sua afiliação e lugar dentro do indo-europeu não é claro (ver classificação do trácio).

Extinçãoeditar | editar código-fonte

A maioria dos trácios foi finalmente helenizada (na província da Trácia) ou romanizada (na Mésia, Dácia, etc.), com os últimos remanescentes sobrevivendo em áreas remotas até o século V3 .

Notas

  1. Isto é confirmado entre outros por Benjamin W. Fortson em seu Indo-European Language and Culture (Língua e Cultura Indo-européias), quando ele afirma que "todas as tentativas para relacionar o trácio ao frígio, ilírio, ou dácio... são... puramente especulativas" (p. 90)
  2. Duridanov, Ivan. The Language of the Thracians.
  3. R. J. Crampton. A Concise History of Bulgaria. [S.l.]: Cambridge University Press, 1997. p. 4 p. ISBN 0-521-56719-X

Ver tambémeditar | editar código-fonte

Leitura complementareditar | editar código-fonte

  • I. I. Russu, Limba Traco-Dacilor / Die Sprache der Thrako-Daker, Bucareste (1967, 1969)

Ligações externaseditar | editar código-fonte








Creative Commons License