Nova Escócia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde maio de 2011)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Nova Escócia
Nova Scotia
Nouvelle-Écosse
Bandeira Brasão de armas
Lema: Munit Haec et Altera Vincit
(Do latim: Um Defende e os Outros Conquistam)
Mapa do Canadá com Nova EscóciaNova ScotiaNouvelle-Écosse destacado
Outras províncias e territórios do Canadá
Capital Halifax
Maior cidade Halifax
Tenente-Governador Myra A. Freeman
Governador Darrell Dexter (NDP)
Línguas oficiais Inglês
Área 55 284 km² (12º)
 - Terra 53 338 km²
 - Água 1 946 km² (3,5%)
População (2006)
 - População 934 405 (7º)
 - Densidade 17,67 hab/km² (2º)
Admissão na Confederação
 - Data Membro fundador da Confederação Canadense, em 1 de julho de 1867
 - Ordem
Fuso horário UTC-4
Representação parlamentar
 - Membros do Parlamento 11
 - Senadores 10
Abreviações
 - Abreviação postal NS
 - ISO 3166-2 CA-NS
Prefixo Postal B
Website oficial www.gov.ns.ca

A Nova Escócia (em latim e em inglês: Nova Scotia; em francês: Nouvelle-Écosse; em gaélico: Alba Nuadh) é uma das dez províncias do Canadá, parte das Províncias Marítimas e das Províncias do Atlântico. A Nova Escócia localiza-se no leste canadense, à beira do Oceano Atlântico. Muito da Nova Escócia está localizado em uma península. Porém, também faz parte da província a ilha de Cape Breton.

Nenhuma região da Nova Escócia está localizada a mais do que 56 quilômetros do mar. A Nova Escócia caracteriza-se por possuir as maiores variações de maré do mundo - que podem chegar a até 10 metros em certos pontos. A economia da província é baseada primariamente no turismo, na pesca e na prestação de serviços financeiros.

A Nova Escócia fora originalmente colonizada pelos franceses e pelos britânicos. Tanto a França quanto o Reino Unido reivindicaram a posse da região. A Nova Escócia fez parte da Nova França, como a província colonial de Acádia, até ter sido capturada definitivamente pelos britânicos em 1713. Até o final do século XVIII, a Nova Escócia recebeu grandes números de ingleses e escoceses.

Em 1 de julho de 1867, a Nova Escócia, juntamente com Nova Brunswick e a província de Canadá (atuais províncias de Ontário e Quebec), tornou-se independente do Reino Unido. Juntamente com a Nova Brunswick, Ontário e o Quebec, a Nova Escócia é uma das quatro províncias originais do Canadá.

Históriaeditar | editar código-fonte

Até 1867editar | editar código-fonte

Nativos americanos mi'kmaq já viviam na região que hoje constitui a Nova Escócia centenas de anos anteriormente à chegada dos primeiros europeus. Os mi'kmaq são descendentes diretos dos ameríndios neolíticos. Tanto os ameríndios neolíticos quanto os mi'kmaq sustentavam-se primariamente através da caça.

Acredita-se que o primeiro europeu a ter desembarcado na Nova Escócia foi o italiano John Cabot, em 1497, a serviço da coroa inglesa. Ele desembarcou na atual ilha de Cape Brenton. Este estava em busca de um caminho para as Índias Orientais. Outros exploradores europeus, em busca de um caminho às Índias, desembarcaram na atual Nova Escócia até o final da década de 1520.

Pescadores franceses passaram a estabelecer-se em caráter temporário na Nova Escócia a partir do final do século XVI. Estes pescadores pescavam nas águas próximas à atual Nova Escócia, secavam os peixes que capturavam na região, e iam embora para a França no final de todo outono, para retornar somente na primavera.

Em 1604, os exploradores franceses Pierre de Gua e Samuel de Champlain fizeram um mapeamento detalhado do litoral da Nova Escócia. Eles estabeleceram um assentamento permanente no atual Port Royal, em 1605. A Nova Escócia, bem como regiões próximas como Nova Brunswick, Ilha do Príncipe Eduardo (então conhecida como Île Saint Jean), Vermont e Maine, tornou-se conhecida como Acádia, colônia francesa parte da Nova França. A economia da região estava baseada primariamente no comércio de peles e na agricultura. A capital da região era Port Royal.

A partir da década de 1620, os britânicos passaram a reivindicar a Acádia. O Rei James II da Inglaterra designou a região da Acádia como parte da Nova Inglaterra, e iniciou esforços para a colonização anglófona na região. James cedeu esta região, a William Alexander. Este, de ascendência escocesa, nomeou a região de Nova Scotia. Os ingleses capturariam Port Royal em 1629, mas cederiam este forte aos franceses em 1632. Os britânicos capturariam novamente Port Royal em 1690, e cederiam a vila novamente aos franceses em 1697. Os britânicos capturaram definitivamente Port Royal em 1710, renomeando-no Annapolis Royal.

Em 1713, os franceses, sob os termos do Tratado de Utrecht, cederam definitivamente a região continental da Nova Escócia para o Reino Unido, e mantiveram a ilha de Cape Brenton, a Ilha do Príncipe Eduardo, a Nova Brunswick e Maine. A Ilha de Cape Breton, então, era conhecida como Île Royale. A capital da Acádia mudou-se para Louisburg. Até 1754, houve-se paz entre os franceses e os britânicos. Em 1749, os britânicos fundaram Halifax, que tornou-se a capital da Nova Escócia no ano seguinte. A Nova Escócia passou então a receber centenas de imigrantes franceses, alemães e suíços. Em 1754, os britânicos permitiram aos habitantes da Nova Escócia a instalação de uma Corte Suprema, e em 1758, a instalação de um sistema colonial e rudimentar de Poder Legislativo, a primeira instalada em todo o Canadá.

Com o início da Guerra dos Sete Anos em 1754, entre os franceses e os britânicos, toda a região foi eventualmente conquistada pelos últimos. Ao mesmo tempo, a partir de 1755, os britânicos forçaram os habitantes francófonos da região a jurarem lealdade aos britânicos. Muitos não assim fizeram, e como consequência, foram mortos ou expulsos da região, tendo sido expulsos para a França, Quebec ou a ex-colônia francesa de Louisiana, no que ficou conhecido como a Grande Expulsão. Em 1763, sob os termos do Tratado de Paris, a França cedia definitivamente as províncias coloniais de Acádia e de Canadá (atual Ontário e Quebec) aos britânicos. A Ilha de Cape Breton foi anexada à Nova Escócia, enquanto que a Ilha do Príncipe Eduardo então tornou-se uma colônia em separado.

1763 - Tempos atuaiseditar | editar código-fonte

Centenas de escoceses instalaram-se na Nova Escócia entre 1772 e 1775. Os escoceses logo tornaram-se a etnia majoritária na região. A Nova Escócia recebeu grandes números de britânicos, cerca de 35 mil, entre 1775 e 1785, graças à Revolução Americana de 1776. Estes britânicos eram colonos americanos leais à coroa britânica, que fugiram ou foram expulsos do recém-fundado Estados Unidos. Muitos destes instalaram-se na Nova Escócia. Em 1784, a Ilha de Cape Breton tornou-se uma colônia em separado, tendo sido anexada à Nova Escócia novamente em 1820. Ainda em 1784, a Nova Brunswick tornou-se uma colônia em separado, e Maine foi anexada pelo estado americano de Massachusetts.

A economia da Nova Escócia passou a prosperar após o começo do século XIX. As grandes reservas florestais da Nova Escócia fizeram com que a colônia se tornasse uma grande fabricante de navios, especialmente navios mercantes, tanto que até o início do século XX, a Nova Escócia teria uma das maiores frotas de navios mercantes do mundo.

Em 1848, os britânicos permitiram aos habitantes da Nova Escócia poder sobre assuntos regionais, concedendo maiores poderes ao Poder Executivo e Legislativo da colônia.

Em 1 de julho de 1867, a Nova Escócia tornou-se uma das províncias fundadoras do Canadá. As outras três são Nova Brunswick, Ontário e Quebec. Políticos destas quatro províncias, nos anos que precederam a independência canadense, planejaram em detalhes a independência do novo país, tendo conseguido dos britânicos aprovação oficial para tornarem-se independentes.

Porém, nos anos que sucederiam a independência, a província lutou para tentar seceder-se do Canadá. Em 1868, nas eleições provinciais, o partido político Anti-Confederação conseguiu o controle de 18 de 19 assentos da Assembleia Legislativa da província. O governo da Nova Escócia aprovou com sucesso uma emenda que não reconhecia o poder da Confederação do Canadá sobre a província, e que secedia a Nova Escócia do Canadá. Porém, nem esta nem o Reino Unido reconheceram a secessão. Até hoje, esta emenda não foi revogada. Até o final da Primeira Guerra Mundial o movimento pela independência da Nova Escócia continuou forte. O movimento pela independência desapareceu em sua maior parte no final da década de 1920, embora algumas bandeiras provinciais sejam alçadas anualmente a meio mastro durante o Dia do Canadá até os dias atuais.

Halifax serviu como a base primária das operações mercantes entre o Canadá e o Reino Unido durante a primeira guerra. Em 6 de dezembro de 1917, um navio francês, o Mont Blanc, carregado com 2,7 mil toneladas de explosivos, chocou-se com outro navio. A explosão que se seguiu matou 1 635 pessoas, feriu milhares, e destruiu cerca de dois terços da cidade. Até hoje, esta foi a maior explosão causada pelo homem, sem o uso de material nuclear.

As duas décadas que se sucederiam a primeira guerra seriam anos de recessões econômicas na província. A recessão acabaria brevemente durante a segunda guerra mundial, para estender-se até o começo da década de 1950. A partir de então, a economia da Nova Escócia passou a fortalecer-se. Várias escolas e estradas foram construídas. O turismo tornou-se uma das principais fontes de renda da Nova Escócia. Em 1955, uma ponte foi construída entre a Ilha de Cape Brenton e o restante da Nova Escócia.

O governo da Nova Escócia passou a incentivar a instalação de grandes fábricas na província, a partir da década de 1960. Graças às suas consideráveis reservas minerais e ao seu bem desenvolvido sistema ferroviário, bem como a presença de grandes e modernas instalações portuárias atraiu diversas fábricas, especialmente siderúrgicas, até o final da década de 1970. O porto de Halifax foi por diversas vezes expandido e modernizado. Ainda na década de 1970, o Banco Nova Scotia, que tinha sua sede em Halifax, mudou seus quartéis-generais para Toronto. A indústria da pesca da Nova Escócia caiu gradualmente, por causa da pesca predatória, atingindo um mínimo no início da década de 1990, quando passou a recuperar-se.

Geografiaeditar | editar código-fonte

Mapa da Nova Escócia.
Vista da Nova Escócia, de satélite.

A maior parte da Nova Escócia localiza-se em uma península, conectada com o continente através do Istmo de Chignecto. A Nova Escócia também inclui a Ilha de Cape Breton, que compõe a parte nordeste da Nova Escócia. Toda a província é cercada pelo Oceano Atlântico. Uma terceira ilha, a Ilha Sable, também faz parte da Nova Escócia, embora esta ilha seja muito menor do que Cape Brenton, e esteja localizada a aproximadamente 175 km do corpo principal da Nova Escócia, contra os 2 km que separam o corpo principal da Nova Escócia de Cape Breton. Fazem parte da província várias pequenas ilhas que localizam-se próximas aos corpos principais da Nova Escócia, a península e Cape Brenton.

O litoral da Nova Escócia possui cerca de 7 579 km de extensão. Somente a península possui cerca de 4000 km de comprimento. As ilhas Cape Brenton e Sabre possuem juntas 1,9 mil km de comprimento. Estes números incluem qualquer região que possua contato com o mar, como baías, estuários e pequenas ilhas oceânicas. A província possui numerosos rios, porém, nenhum deles possui mais de 115 km de comprimento. Os dois maiores são os Mersey e o St. Mary's. A província possui mais de 400 lagos. Cerca de 70% da província é coberto por florestas.

A Nova Escócia pode ser dividida em três distintas regiões:

  • O Planalto do Atlântico estende-se ao longo da margem sul da Nova Escócia, ocupando mais de 40% da província. Caracteriza-se pelo seu terreno relativamente plano, cuja altitude aumenta gradualmente, de 0 metros do litoral até 200 metros o meio da província. Seu solo é muito antigo, com mais de 500 milhões de anos de idade. As últimas eras do gelo removeram muito das camadas de solo frágeis da região, deixando primariamente rochas. Como consequência, o solo é pouco fértil e propício para a prática da agricultura. Florestas cobrem a maior parte da região.
  • As Planícies da Nova Escócia espalham-se pelo norte da Nova Escócia. Seu solo é fértil, propício para a prática da agricultura. Possui um terreno pouco acidentado, e a região contém várias reservas de minerais.
  • Os Planaltos da Nova Escócia ocupam pequenas áreas isoladas ao longo do norte da Nova Escócia. Estas áreas são primariamente o litoral noroeste da província, a região centro-norte e o extremo nordeste da província. Caracteriza-se pelo seu solo rochoso, pouco fértil, bem como pela sua relativamente alta altitude. O ponto mais alto da Nova Escócia localiza-se nesta região, em Cape Breton, extremo nordeste da província, e que possui 532 metros de altitude.

Climaeditar | editar código-fonte

Névoa é um fenômeno climático comum ao longo do litoral da Nova Escócia.

A Nova Escócia possui um clima temperado. Graças à sua proximidade com o Oceano Atlântico, a Nova Escócia possui invernos e verões relativamente amenos. No geral, as temperaturas são levemente mais altas no sul da província do que no sul, no inverno. No verão, ocorre precisamente o contrário. A temperatura média no inverno é de 0°C em Halifax e de -9°C no Istmo de Chignecto. No inverno, no geral, as mínimas na província variam entre -34°C e 8°C, e as máximas variam entre -30°C e 15°C. No verão, a temperatura média é de 16°C em Halifax e de 21°C no istmo de Chignecto. Mínimas variam entre 12°C e 18°C, e máximas de variam entre 15°C e 32°C.

A temperatura mais baixa já registrada na Nova Escócia foi de -42°C, em 31 de janeiro de 1920. A temperatura mais alta já registrada no estado foi em Collegesville, em 19 de agosto de 1935, onde foi registrada uma máxima de 42°C.

As taxas de precipitação média anual de chuva na Nova Escócia é de 134 centímetros. As taxas de precipitação anual do sul da província são levemente maiores no sul do que no norte. Cape Brenton recebe cerca em média 250 centímetros de neve todo ano, e Halifax, cerca de 180 centímetros. Névoa é relativamente comum ao longo do litoral da província.

Políticaeditar | editar código-fonte

Câmara da Província de Nova Escócia, sede do poder legislativo.

O Tenente-Governador representa a Rainha Isabel II como Chefe de Estado da Nova Escócia. O chefe do governo, em prática, e também maior oficial do Poder Executivo da província, é o Premier, governador ou primeiro-ministro em português, a pessoa que lidera o partido político com mais cadeiras na Assembleia Legislativa. O governador da Nova Escócia preside sobre um Conselho Executivo, que é o Gabinete da província. O gabinete é formado por 25 diferentes ministros, como o Ministro da Educação, da Economia, do Trabalho, etc. O gabinete renuncia se perde o suporte da maioria dos membros do poder Legislativo da Nova Escócia.

O Poder Legislativo da Nova Escócia é a Assembleia Legislativa, que é composta por 83 membros. Cada um dos membros da Assembleia é eleito pela população de um dos 83 diferentes distritos eleitorais da província, para mandatos de até cinco anos de duração. Se o Tenente-Governador dissolver a Assembleia antes destes cinco anos, a pedido do governador, todos precisam concorrer às eleições novamente. Não há limite de termos que uma pessoa pode exercer.

As maiores cortes do Poder Judiciário da Nova Escócia são a Corte Suprema da Nova Escócia a Court of Appeal of Nova Scotia. A primeira é composta por 25 juízes, e a segunda, por 9 juízes. O Premier indica estes juízes, que então são aprovados simbolicamente pelo Tenente-Governador.

A Nova Escócia está dividida em 18 condados. A província também possui três municipalidades regionais, bem como 31 cidades. Todas estas subdivisões são governadas por um prefeito e por um conselho municipal, que são eleitos pela população para mandatos de até quatro anos de duração. Nas vilas, os eleitores elegem três ou cinco membros para mandatos de até três anos de duração. Todo ano, um dos membros do conselho é escolhido pelos membros do dado conselho para ser prefeito da vila. O sistema de governo das 64 municipalidades rurais é semelhante ao sistema de governo das vilas.

Impostos são responsáveis por cerca de 55% de toda a receita do orçamento do governo da Nova Escócia. O restante vem de verbas recebidas do governo federal e de empréstimos.

Demografiaeditar | editar código-fonte

Crescimento populacional da Nova Escócia
Ano Habitantes
1871 387 800
1881 440 572
1891 450 396
1901 459 574
1911 492 338
1921 523 837
1931 512 846
1941 577 962
1951 642 584
1961 737 007
Ano Habitantes
1966 756 039
1971 788 960
1976 828 571
1981 847 442
1986 873 199
1991 899 942
1996 909 282
2001 908 007
2006 934 405
2007 939 648

Segundo o censo canadense de 2006, a população da Nova Escócia foi de 934 405 habitantes, um crescimento de 2,9% em relação à população da província no censo canadense de 2001, de 908 007 habitantes.

55% da população da Nova Escócia moram em cidades e 45%, em campos e em pequenas comunidades. O êxodo rural foi forte na província entre a década de 1930 e a década de 1970, mas têm entrado em declínio desde então, e embora este êxodo ainda ocorra atualmente, este êxodo é muito pequeno, e a percentagem da população morando nas cidades aumentou em apenas 1% entre 1991 (quando era de 54%) e 2001. Halifax é a capital e maior cidade da Nova Escócia. Sua região metropolitana possui mais de 360 mil habitantes.

A maior parte da população da Nova Escócia, 93,6%, são brancos, descendentes de europeus. Cerca de 95,4% da população da província nasceu no Canadá. O maior grupo étnico da província são os escoceses. Em seguida, vêm os ingleses, alemães, irlandeses, franceses e neerlandeses. 1,9% da população da província são nativos americanos, e 2,1% são afro-canadenses. 0,6% são árabes, 0,4% são chineses e 0,4% são do sudeste asiático. Outras minorias étnicas correspondem por menos de 1% da população da província. Asiáticos e afro-americanos estão concentrados primariamente em Halifax.

Economiaeditar | editar código-fonte

Vista de Halifax.

A economia de Nova Escócia está concentrada primariamente no setor terciário. O produto interno bruto da província foi de 29 bilhões de dólares canadenses, em 2003. A renda per capita da província foi de 30 932 dólares canadenses. A taxa de desemprego na província é de cerca de 8%. O centro econômico, financeiro e industrial da província é Halifax.

O setor primário responde por 3% do PIB de Nova Escócia. A agricultura e a pecuária respondem por 0,86% do PIB da província, e empregam cerca de 6,8 mil pessoas. A Nova Escócia possui cerca de 4,3 mil fazendas, que cobrem cerca de 8% da província. Os principais produtos cultivados ou criados na Nova Escócia são leite, carne de vaca, galinhas, ovos, cerejas e maçãs. A pesca responde por 1% do PIB da província e emprega aproximadamente quatro mil pessoas. A silvicultura corresponde por 1% do PIB da província e emprega aproximadamente três mil pessoas.

O setor secundário responde por 21% do PIB de Nova Escócia. A indústria de manufatura responde por 11% do PIB da província e emprega aproximadamente 44 mil pessoas. O valor total dos produtos manufaturados na província por ano é de dois bilhões de dólares canadenses, e os principais produtos fabricados na província são alimentos industrialmente processados, produtos de madeira e papel. A indústria de construção responde por 5% do PIB da província e emprega cerca de 26 mil pessoas. A mineração responde por 2% do PIB da província e emprega aproximadamente sete mil pessoas.

O setor terciário responde por 78% do PIB de Nova Escócia. Serviços comunitários e pessoais respondem por 23% do PIB da província, e empregam mais de 170 mil pessoas. Serviços financeiros e imobiliários respondem por 22% do PIB da província e empregam cerca de 23 mil pessoas. O comércio por atacado e varejo responde por 12% do PIB da província e emprega mais de 77 mil pessoas. Serviços governamentais respondem por 10% do PIB da província e empregam mais de 26 mil pessoas. Transportes e telecomunicações respondem por 9% do PIB da Nova Escócia e empregam cerca de 40 mil pessoas. Utilidades públicas respondem por 3% do PIB da província, empregando cerca de 2,8 mil pessoas. Mais de 90% da eletricidade gerada na Nova Escócia é produzida em usinas termelétricas em geral (que podem ser abastecidas com carvão, petróleo ou gás natural), sendo a maior parte do restante produzida em usinas hidrelétricas.

Educaçãoeditar | editar código-fonte

O Departamento de Educação da Nova Escócia dita as regras e padrões que todas as escolas da Nova Escócia devem seguir. Toda cidade - ou, caso uma dada comunidade não possua fundos suficientes para cobrir a manutenção das escolas, condados e municipalidades regionais - são servidos por um distrito escolar. Atendimento escolar é compulsório para todas as crianças e adolescentes com mais de seis anos de idade, até a conclusão do segundo grau ou até os dezesseis anos de idade.

Em 1999, as escolas públicas da província atenderam cerca de 160,6 mil estudantes, empregando aproximadamente 9,3 mil professores. Escolas privadas atenderam cerca de 2,52 mil estudantes, empregando aproximadamente 230 professores. O sistema de escolas públicas da província consumiu cerca de 1,027 bilhões de dólares canadenses, e o gasto das escolas públicas por estudante é de aproximadamente 6,3 mil dólares canadenses.

Dez cidades da Nova Escócia administram um sistema de bibliotecas públicas. A Nova Escócia possui um total de dez instituições de ensino superior, a maioria delas concentradas em Halifax.

Transportes e telecomunicaçõeseditar | editar código-fonte

Halifax é o principal centro portuário da Nova Escócia. O porto da cidade é um dos principais e mais movimentados do Canadá, perdendo somente para os portos de Vancouver e de Montreal. Além disso, Halifax é um importante centro aeroportuário. O Aeroporto Internacional de Halifax atende a cerca de 3 milhões de passageiros por ano, e é um hub secundário da Air Canada, a maior linha aérea do Canadá.

Uma ponte conecta a Ilha de Cape Brenton com o corpo principal da Nova Escócia, permitindo o trânsito de trens, carros e caminhões entre Cape Brenton e o corpo principal da província. Ferries conectam a parte principal da Nova Escócia com a Ilha Sabre, bem como entre a província e Nova Brunswick, Ilha do Príncipe Eduardo e Maine.

O primeiro jornal publicado na atual Nova Escócia foi o The Halifax Gazette, publicado pela primeira vez em 1752, em Halifax. O The Halifax Gazette é também o primeiro jornal a ter sido publicado em território canadense, e continua a ser publicado até os dias atuais sob o nome de Nova Scotia Royal Gazette, tendo sido adquirido pelo governo da Nova Escócia em 1867. Atualmente, são publicados na Nova Escócia cerca de 50 jornais, dos quais oito são diários. A primeira estação de rádio da Nova Escócia foi fundada em 1926, em Halifax, e a primeira estação de televisão foi fundada em 1954, em Sydney. Em 2002, a Nova Escócia possuía 26 estações de rádio - dos quais 15 eram AM e 11 eram FM - e 2 estações de televisão.

Ver tambémeditar | editar código-fonte

Referênciaseditar | editar código-fonte

Ligações externaseditar | editar código-fonte


Províncias e territórios do Canadá Bandeira do Canadá
Províncias Colúmbia Britânica | Alberta | Saskatchewan | Manitoba | Ontário | Quebec | Nova Brunswick | Ilha do Príncipe Eduardo | Nova Escócia | Terra Nova e Labrador
Territórios Yukon | Territórios do Noroeste | Nunavut







Creative Commons License