Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde janeiro de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Partido Nacional-Socialista dos Trabalhadores Alemães
Nationalsozialistische Deutsche Arbeiterpartei
NSDAP-Logo.svg
Líder Anton Drexler (1920-1921)
Adolf Hitler (1921-1945)
Martin Bormann (1945)
Presidente Adolf Hitler
Fundação 1920
Sede Munique
Publicação Völkischer Beobachter
Dissolução 1945
Alas Hitlerjugend
Membros 60 em 1920
8,5 milhões em 1945
Cores Vermelho, preto, branco e marrom

O Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães (em alemão: Nationalsozialistische Deutsche Arbeiterpartei - NSDAP), mais conhecido como Partido NazistaPortuguês brasileiro ou Partido NaziPortuguês europeu, foi um partido político levado ao poder na Alemanha por Adolf Hitler em 1933. O termo Nazi é uma contração da palavra alemã Nationalsozialist, onde o <t> de Na<t>ional tem o mesmo som do <z> em alemão. (Nacional Socialista), refletindo a ideologia do NSDAP. O partido estabeleceu o Terceiro Reich após ter sido democraticamente eleito para liderar o governo alemão em 1933.

O NSDAP foi a única força política na Alemanha Nazista depois da queda da República de Weimar, em 1933, até o fim da Segunda Guerra Mundial em 1945, quando foi declarado ilegal e seus líderes presos e julgados por crimes contra a humanidade nos Julgamentos de Nuremberg. O partido adotou dentre seus símbolos, a suástica, e uma saudação à Hitler, inspirada na saudação romana, símbolos estes que atualmente estão profundamente ligados à ideologia racista dos nazistas, tendo se tornado proibidos. A ideologia e as práticas do partido nazista deram origem a um novo ramo de ciência política, popularmente conhecido como "Nazismo".

História do partidoeditar | editar código-fonte

Origenseditar | editar código-fonte

No início de 1918, um partido chamado Freier Ausschuss für einen deutschen Arbeiterfrieden (Comitê livre para uma paz dos trabalhadores alemães) foi criado em Bremen, Alemanha. Anton Drexler, um serralheiro de Munique, formou uma ala deste comitê em 7 de março de 1918, em Munique. Em 1919, Drexler, com Gottfried Feder, Dietrich Eckart e Karl Harrer, mudaram seu nome para Deutsche Arbeiterpartei (Partido alemão dos trabalhadores, abreviado DAP). Este partido foi o predecessor oficial de NSDAP, e tornou-se um dos diversos movimentos populistas que existiam na Alemanha após a derrota na Primeira Guerra Mundial. A fim de investigar o DAP, o Serviço de Informação do exército alemão enviou um jovem cabo, Adolf Hitler, para observar as atividades do partido.Ao expor sua opinião sobre tal assunto que estava sendo discursado,impressionou vários membros do partido pois o modo como afirmava e defendia sua ideia deixaria qualquer pessoa ao seu lado.Foi convidado a voltar a outras reuniões, e logo filiou-se ao partido, como membro número 55 (embora Hitler mais tarde afirmasse ser o "Membro número 7 do partido" para dar a impressão que tivesse sido um dos fundadores). Ele foi, na realidade, o sétimo membro do comitê central do DAP. Neste estágio inicial, Hitler levantou a ideia de trocar o nome do partido e propôs o nome de "Partido social revolucionário". No entanto, Rudolf Jung insistiu que o partido deveria manter o padrão do partido nacional socialista austríaco. Em conseqüência, o DAP foi rebatizado para NSDAP em 24 de fevereiro de 1920.

O Brasão de armas nazista.

Outros membros iniciais do partido nazista incluem Rudolf Bultmann, diretor geral da Bayerische Staatsbibliothek (Biblioteca estadual da Baviera) e Hermann Esser, editor do jornal Völkischer Beobachter.

Cartão de Adolf Hitler de membro do partido DAP, que mais tarde se tornaria o NSDAP

Luta pelo podereditar | editar código-fonte

Adolf Hitler tornou-se o chefe do partido nazista em 29 de julho de 1921, e em seguida começou um programa mediante o qual o partido nazista se transformou numa organização radical e revolucionária. A Sturmabteilung (seção de assalto) foi fundada naquele mesmo ano, e começou uma política de expansão do partido nazista por meio do medo, intimidação e ataques violentos a outros partidos políticos.

Nesses anos iniciais, o partido nazista estava confinado principalmente na Baviera, na cidade de Munique. Grupúsculos nazistas existiam em outros lugares da Alemanha, mas os programas e calendários eram tais que, mesmo entre os nazistas, tais grupos fora da Baviera eram considerados à parte do partido nazista principal.

O desastre para o partido aconteceu em 1923, quando o partido nazista tentou tomar o poder do governo da Baviera no que ficou conhecido como o "Putsch da cervejaria". O golpe de dois dias foi esmagado pelas autoridades de Munique, e diversos nazistas foram mortos no processo. Hitler e seus conselheiros principais foram julgados e presos por traição. As sentenças variaram de 12 a 18 meses, com Hitler sendo preso na prisão de Landsberg. Durante esse período, de 1923 a 1925, o partido nazista deixou de existir. No entanto, Hitler usou esse tempo para escrever Mein Kampf, detalhando como iria organizar seu retorno político quando fosse libertado da prisão.

O partido ressuscitaeditar | editar código-fonte

Em seguida à liberação de Hitler, em 1925, o NSDAP foi refundado, com Hitler tomando carteira de membro número 1. Nesse mesmo ano, a Schutzstaffel (SS) foi fundada. A evolução do partido, durante esse período, é parte integral do declínio da República de Weimar.

O segundo partido nazista teve Gottfried Feder como teórico econômico. Rudolf Jung forneceu ao renascido partido uma ideologia pronta que trazia consigo da Checoslováquia. Tratava-se do Programa Nacional Socialista, com 25 pontos. Hitler acrescentou suas ideias sobre a política estrangeira, e Julius Streicher as suas ainda mais virulentas ideias anti-semitas.

Entre 1925 e 1929, os nazistas tiveram resultados eleitorais insignificantes. Na eleição de 1930, no entanto, os nazistas (impulsionados pelos problemas econômicos alemães na incipiente Grande depressão) aumentaram drasticamente a sua votação , tornando-se o segundo maior partido no Reichstag. O NSDAP continuou a melhorar sua posição nos anos subsequentes, apesar da proibição, em 1932, dos SA (a milícia privada do partido). Nas eleições de 1932, o partido alcançou um total de 13,75 milhões de votos, tornando-se o maior bloco do Reichstag.

A tomada do podereditar | editar código-fonte

Os nazistas jamais ganharam uma maioria eleitoral por conta própria, mas Hitler foi indicado Chanceler de uma coligação governamental pelo Presidente Paul von Hindenburg em janeiro de 1933. Seus parceiros na coligação foram os Nacionalistas de direita, liderados por Alfred Hugenberg, o "barão da imprensa", e seu vice-chanceler foi o ex-líder do Partido Central Católico e antigo chanceler Franz von Papen.

Em 30 de fevereiro de 1933, o edifício do parlamento, o Reichstag, sofreu um incêndio. Este incêndio foi rapidamente atribuído aos comunistas, e usado como desculpa pelos nazistas para fechar os escritórios do partido comunista alemão, banir sua imprensa e encarcerar seus líderes. Além disso, Hitler convenceu o Presidente von Hindenburg a assinar o "Decreto de incêndio do Reichstag", abolindo grande parte dos direitos da constituição de 1919 da República de Weimar. Um outro decreto permitiu a detenção preventiva de todos os deputados comunistas, entre diversos outros membros do mundo político alemão.

O principal meio através do qual Hitler se tornou ditador da Alemanha foi o ato Ermächtigungsgesetz (Ato de Habilitação ao Poder), que dava ao chanceler o poder de decretar o estado de emergência e de suspender as restrições legislativas ao seu poder como chefe do Executivo alemão. Para passar esse ato, Hitler organizou uma eleição para o Reichstag em março de 1933, com o intuito de formar uma maioria para adotar esse único ato, que colocava o poder inteiramente nas mãos do Chanceler.

Os nazistas obtiveram 43,9%; junto com os seus aliados nacionalistas de direita (DNVP), eles controlaram uma coligação de maioria parlamentar de 51.8%. No entanto, para dar legitimidade ao Ato de Habilitação ao Poder, Hitler precisava fazer passar uma mudança constitucional. Von Papen, com o líder do Partido Centrista Católico Monsenhor Ludwig Kaas, elaborou um acordo entre o Papa Pio XI e o Cardeal Pacelli (o futuro Papa Pio XII). Em retribuição a esse acordo, o partido Central deu o apoio parlamentar necessário para passar o ato, e uma maioria constitucional de dois terços foi obtida. Os 31 votos do Partido Centrista, adicionados aos votos dos partidos burgueses de classe média e dos Nacionalistas de direita, deram a Hitler o direito de governar por conta própria e de abolir diversos direitos civis.

Em cinco cláusulas, o Ato de Habilitação ao Poder deu ao governo o direito de mudar a constituição e de aprovar leis sem a aprovação legislativa, ao Chanceler o direito de revisar a legislação, ao Gabinete o direito de passar acordos internacionais e uma renovação do decreto a cada 4 anos, dependente da continuação do governo. O único partido de esquerda restante no Reichstag, o Partido Social-Democrata da Alemanha, valentemente protestou contra a aprovação do ato. Quando o Reichstag se reuniu na Ópera Kroll, patrulhado pela milícia marrom SA, o Ato de Habilitação ao Poder foi aprovado e, como punição pela dissensão, os Social-Democratas tornaram-se o segundo partido abolido pelos nazistas (em 22 de junho), após a mudança da sua direção para Praga.

Em 14 de julho de 1933, os nazistas proibiram a formação de qualquer novo partido, e a Alemanha se tornou um estado a partido único sob o NSDAP. Isso era parte do Gleichschaltung (sincronização). Hitler manteve o Reichstag como púlpito, com o Reichsrat (Conselho) controlado por nazistas, que rapidamente trataram de dissolver o Reichsrat como corpo legislativo. Os corpos legislativos dos estados alemães tiveram o mesmo destino, com o governo central alemão tomando conta de todos os poderes legislativos locais e do Estado.

Em uma declaração de 23 de março de 1933, Hitler afirma que as duas principais igrejas da Alemanha eram os "fatores mais importantes" na manutenção do bem-estar alemão. Dali em diante, o que fora até então um episcopado crítico passou a apoiar o regime nazista abertamente e, com o acordo entre Pio XI e o Cardeal Pacelli, finalmente forneceu-lhe aceitação e reconhecimento internacionais.

A Doutrina nazista proclamava a superioridade do que eles chamaram de "Raça Ariana", predestinada a dominar toda a Europa. Para os nazistas, a tarefa de expandir a sumpremacia ariana exigia a destruição dos chamados "inimigos da Alemanha": externamente, as potências estrangeiras que impuseram o Tratado de Versalhes e, internamente, os judeus, acusados de conspirar contra os interesses do povo alemão.

A ideologia nazista articulou-se politicamente em torno do NSDAP. Os nazistas procuram explorar o sentimemto nacional do povo alemão, abalado com os resultados da recente guerra. Além disso, a estrutura do partido, fortemente militarizada, simbolizava a ideia de ordem em um país desorganizado política, social e economicamente.

Resultados nas eleições federaiseditar | editar código-fonte

Data Votos Percentual Cadeiras no Reichstag Eventos
Maio de 1924 1.918.311 6,5 32 Hitler na prisão
Dezembro de 1924 907.300 3,0 14 Hitler é liberado da prisão
Maio de 1928 810.221 2,6 12  
Setembro de 1930 6.409.655 18,3 107 Após a crise financeira
Julho de 1932 13.745.800 37,4 230
Novembro de 1932 11.737.395 33,1 196
Março de 1933 17.277.180 43,9 288 Após Hitler se tornar Chanceler e comandante

A consolidação do podereditar | editar código-fonte

Entre 1934 e 1939, o partido nazista iniciou uma série de medidas para juntar o partido nazista e o governo alemão numa única entidade. Foi também nesse período que a visão racial nazista foi transferida para a prática legal,a Alemanha tornando-se um estado anti-semita e racial após a promulgação das Leis de Nuremberg em 1935.

O primeiro ato de Hitler para juntar o partido nazista e o governo alemão aconteceu com a morte do presidente Paul von Hindenburg, em agosto de 1934. Três horas antes da morte de Hindenburg, o governo de Hitler promulgou uma lei que teria efeito a partir da morte de Hindenburg e que prescrevia que o posto de presidente seria unido ao de Chanceler, e que Hitler seria desde então o Führer e o Reichkanzler (chanceler) da Alemanha. Com este acto, Hitler fez de si mesmo o Chefe de Estado, chefe do governo e presidente do partido nazista num só posto.

No meio dos anos 1930, o partido nazista indicou e configurou praticamente todo o governo alemão com membros do partido nazista. Além disso, em 1936 os SS tinham-se tornado a polícia do Estado e controlavam todos os aspectos da aplicação da lei e da política. Quando a Segunda Guerra Mundial começou, em 1939, não havia praticamente nenhuma distinção entre o partido nazista e o governo da Alemanha.

O ato que fez de Hitler o ditador da Alemanha, o Ermächtigungsgesetz, foi prolongado em 1937 e em 1941 por tempo indeterminado. No final de 1944, no entanto, havia alguns na Alemanha que acreditavam que os nazistas fossem um simples partido político que estava no poder no momento, mas que podiam, via votação, ser afastados do poder quando e se o povo alemão o desejasse. Na teoria, pelo menos, a ditadura de Hitler não deveria durar eternamente, e alguns alemães viam o Ermächtigungsgesetz como temporário até o final da Segunda Guerra Mundial, quando a Alemanha se tornaria novamente um país democrático com uma presidência e uma chancelaria separados em dois postos distintos novamente.

O partido nazista pós-guerraeditar | editar código-fonte

O partido nazista deixou de existir em maio de 1945, quando a Lei número 2 do Conselho de controle aliado declarou o partido nazista dissolvido e ilegal. Desde essa época, diversos "grupos de sucessão" afirmaram ser a continuação do partido nazista, mas somente um foi realmente declarado como sendo isso pela Alemanha e autoridades aliadas.

No ano de 1949, fundou-se o Partido Socialista do Reich. Este movimento, que era mais ou menos nacional-socialista, foi bem sucedido ao início: Por exemplo, ganhou 11% nas Eleições do Landtag da Baixa-Saxônia. O Partido Socialista do Reich foi proíbido pelo tribunal constitucional em 1952.

O Partido Nacional Democrata da Alemanha (NPD) foi fundado em 28 de novembro de 1964 como um partido político da Alemanha Ocidental. O NDP pregava um programa praticamente idêntico ao do velho partido nazista, e começava combinando vários grupos neo-nazistas sob sua autoridade. Isso, em combinação com a liderança de antigos nazistas da era de Hitler, tornou-se bastante alarmante ao governo da Alemanha Ocidental e às forças de ocupação aliadas. Esforços foram feitos na década de 1960 para declarar o NPD o sucessor direto do partido nazista, mas esses esforços esbarraram na legislação alemã-ocidental. No entanto, o partido sobreviveu de maneira suficiente para continuar sendo uma presença na política alemã atual.

O único outro grupo nazista successor, anunciado como extremamente perigoso por membros do governo, foi o Partido nazista americano, sob a liderança de George Lincoln Rockwell. O partido nazista americano alcançou seu ápice na década de 1960, quando diversos líderes no reforço da lei afirmavam que o partido estava se tornando tão perigoso, senão mais perigoso, que o partido nazista original dos anos 1920 e 1930. Como a liberdade de expressão nos EUA não permite a supressão de partidos políticos, o partido nazista americano pôde continuar a existir, mas perdeu a maioria de seus simpatizantes e financiamento com a morte de George Rockwell.

Ver tambémeditar | editar código-fonte

Bibliografiaeditar | editar código-fonte








Creative Commons License