Revoluções do Atlântico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Revoluções do Atlântico é um termo usado para designar uma onda revolucionária que tem origem do final do século XVIII seguindo as primeiras décadas do século XIX. São revoluções associadas de alguma forma com o ideário iluminista.

Associados a fatos históricos ao longo do Atlânticoeditar | editar código-fonte

Evento histórico Informação extra
Revolução Americana (1775-1783) A Guerra da Independência dos Estados Unidos da América, também conhecida como Guerra da Revolução Americana ou ainda Revolução Americana de 1776 é uma grande jana, teve suas raízes com a assinatura do Tratado de Paris que em 1763 acabou por finalizar a Guerra dos Sete Anos. Ao final do conflito, o território do Canadá foi incorporado pela Inglaterra. Neste contexto, as treze colônias representadas por Massachusetts, Rhode Island, Connecticut, New Hampshire, Nova Jersey, Nova York, Pensilvânia, Delaware, Virgínia, Maryland, Carolina do Norte, Carolina do Sul e Geórgia começaram a ter seguidos e crescentes conflitos com a Metrópole, pois devido aos enormes gastos com a guerra, a Metrópole inicia uma maior exploração sobre essas áreas, constituiu-se de batalhas desfechadas contra o domínio inglês, durante a Revolução Americana de 1776. Movimento de ampla base popular, teve como principal motor a burguesia colonial e levou à independência das Treze Colônias - os Estados Unidos da América - (proclamada em 4 de Julho de 1776), o primeiro país a dotar-se de uma constituição política escrita.
Patriotas Neerlandeses(1785) Facão política surgida nos Países Baixos durante a segunda metade do século XVIII, inspirada pelos mesmos princípios que pouco depois dariam origem à Revolução Francesa. Defendiam o fim do sistema de governo dos Países Baixos baseado no Stathouder, que se tornara hereditário e era por eles considerado como corrupto e eivado de nepotismo, e a concessão de direitos aos cidadãos.
Revolução Francesa (1789-1799) Por ser referência, inicia a Idade Contemporânea
Revolução brabantina (1787-1790) Rechaçava as reformas progressivas de José II de Habsburgo e levou, em 1790, à criação dos Estados Belgas Unidos.
Revolução Haitiana (1791-1804) Foi um período de conflito brutal no colônia de Saint-Domingue, levando à eliminação da escravidão e a independência do Haiti como o primeiro república governado por pessoas de ascendência africana. Apesar de centenas de rebeliões ocorridas no Novo Mundo durante os séculos de escravidão, apenas a revolta de Saint-Domingue, que começou em 1791, obteve sucesso em alcançar a independência permanente, sob uma nova nação. A Revolução Haitiana é considerada como um momento decisivo na história dos africanos no novo mundo.
Guerra pela defesa da Constituição(1792) Na Guerra em defesa da Constituição, a Polônia foi traída pela sua aliada a Prússia de Frederico Guilherme II e derrotada pela Rússia Imperial de Catarina a Grande, aliada com a Confederação Targowica, uma conspiração de magnatas poloneses que se opuseram às reformas que poderiam enfraquecer suas influências. Apesar da derrota e a subsequente Segunda partição da Polônia, a Constituição de 3 de maio influenciou os movimentos democráticos posteriores no mundo. Permaneceu, após o desaparecimento da República em 1795, pelos próximos 123 anos das partições polonesas, um ideal a ser atingido na luta para se conseguir o restabelecimento da soberania polonesa.
Revolta Kościuszko (1794) Revolta contra o Império Russo encabeçada por Tadeusz Kościuszko na região da Polônia, Belarus e Lituânia com a intenção de liberar a Polônia e Lituânia da influência russa depois da Segunda partição da Polônia.
Batavos (1795-1801) Houve necessidade de institucionalizar um conjunto de estruturas e de políticas comuns a toda a República, as quais, apesar da efemeridade da República da Batávia, marcariam a evolução dos Países Baixos até aos nossos dias. Entre essas inovações contam-se a fixação do ortografia da língua neerlandesa, com base no trabalho de Matthijs Siegenbeek (1804), e a concessão de igualdade de direitos de cidadania aos judeus, luteranos e católicos romanos. Também procedeu à aprovação de uma declaração dos direitos dos cidadãos, base de todos os documentos constitucionais neerlandeses posteriores.
Rebelião Irlandesa de 1798 Os Irlandeses Unidos, um grupo revolucionário republicano influenciado pelas ideias das Revoluções Americana e Francesa, foi a principal força por trás da organização da rebelião.
Guerra de independência na América Latina Os conflitos são geralmente relacionados com as guerras de independência da América Latina, que incluem os conflitos no Haiti e o Brasil. A independência do Brasil compartilha com uma origem comum com a da América espanhola, uma vez que ambas foram acionados pela invasão da Península Ibérica por Napoleão em 1808. Além disso, o processo da independência dos países da América Latina ocorreram geralmente em um clima político e intelectual que emergiu da Idade do Iluminismo e que influenciou todas as chamadas Revoluções do Atlântico, incluindo as revoluções anteriores nos Estados Unidos e França. No entanto, as guerras, e a independência da América espanhola foram resultado da evolução da situação única da monarquia espanhola.
Independência do Brasil(1822) Processo que culminou com a emancipação política desse país do reino de Portugal, no início do século XIX. Oficialmente, a data comemorada é a de 7 de setembro de 1822, quando ocorreu o episódio do chamado "Grito do Ipiranga". De acordo com a história oficial, nesta data, às margens do riacho Ipiranga (atual cidade de São Paulo), o Príncipe Regente D. Pedro bradou perante a sua comitiva: Independência ou Morte!. Determinados aspectos dessa versão, no entanto, são contestados por alguns historiadores.
Ondas de revolta nos estados da Bahia, Rio de Janeiro e Minas Gerais. São elas: Inconfidência Baiana, Conjuração Carioca e Inconfidência Mineira, todas antes do século XIX.
Independência da América Espanhola Se destacou a figura do libertador como: Simon Bolívar e San Martín
Guerra da Independência da Argentina
Revolução de Maio (Argentina e países vizinhos)
Guerra da Independência do Chile
Guerra da Independência do Peru
Guerra da Independência da Bolívia
Carreira militar de Simón Bolívar (no norte e no centro da América do Sul)
Guerra da Independência do Equador
Pátria Boba (Colômbia)
Guerra da Independência da Venezuela
Guerra da Independência do México

Esses vários fatos históricos incluem entre os itens:

As Revoluções do Atlântico também tinham muitos símbolos compartilhados, incluindo:

Personagens históricoseditar | editar código-fonte

Referênciaseditar | editar código-fonte

  • David P. Geggus. The Impact of the Haitian Revolution in the Atlantic World (2002)
  • Jacques Godechot. France and the Atlantic revolution of the eighteenth century, 1770-1799 (1965)
  • Eliga H. Gould and Peter S. Onuf. Empire and Nation: The American Revolution in the Atlantic World (2004)
  • Palmer, Robert. The Age of Democratic Revolutions 2 vols. (1959, 1964)
  • W.M. Verhoeven and Beth Dolan Kautz, eds. Revolutions and Watersheds: Transatlantic Dialogues, 1775-1815 (1999)







Creative Commons License