Romualdo Antônio de Seixas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Romualdo Antônio de Seixas
Arcebispo da Igreja Católica
Arcebispo de Salvador

Título

Primaz do Brasil
Ordenação e Nomeação
Ordenação Presbiteral 8 de outubro de 1809
Nomeado Arcebispo 28 de outubro de 1827
Brasão Arquiepiscopal
Brasao Dom Romualdo de Seixas.jpg
Dados Pessoais
Nascimento Cametá
1 de novembro de 1787
Falecimento Salvador
29 de dezembro de 1860 (73 anos)
dados em catholic-hierarchy.org
Arcebispos
Categoria:Hierarquia católica
Projeto Catolicismo

Dom Romualdo Antônio de Seixas (Cametá, 1 de novembro de 1787Salvador, 29 de dezembro de 1860) foi um bispo católico e político brasileiro. Foi o 16º Arcebispo da Bahia, Primaz do Brasil, conde e marquês de Santa Cruz.

Biografiaeditar | editar código-fonte

Romualdo de Seixas nasceu em Cametá, filho de Francisco Justiniano de Seixas e de Ângela de Sousa Bittencourt, e sobrinho de Dom Romualdo de Sousa Coelho, oitavo bispo do Pará. Finalizou os estudos eclesiásticos em Lisboa.

Com a chegada da Família Real Portuguesa ao Brasil, em 1808, o bispo do Pará, Dom Manuel enviou ´padre Manuel Evaristo de Brito Mendes e o diácono Romualdo de Seixas cumprimentar El Rei, Dom João VI, em nome do clero paraense. Manuel e Romualdo voltaram a Belém com a nomeação de cônegos da Sé Paraense e Cavaleiros da Real Ordem de Cristo.

Romualdo de Seixas foi ordenado presbítero em Belém, em 1 de novembro de 1810, por Dom Manuel de Almeida de Carvalho. Foi nomeado pároco de Cametá e posteriormente Vigário Capitular.

O cônego Romualdo de Seixas presidiu a Junta Governativa Provisória da província do Grão-Pará e Rio Negro de 1821 a 1822 e em 1823.

O Imperador do Brasil, D. Pedro I, por decreto de 12 de outubro de 1826 o nomeou 16º Arcebispo da Bahia. O Papa Leão XII confirmou a nomeação em 30 de maio de 1827.

O cônego Romualdo foi ordenado bispo em 28 de outubro de 1827, pelo Bispo Capelão-Mor Dom José Caetano da Silva Coutinho, bispo do Rio de Janeiro.

Recebeu o pálio arquiepiscopal em 4 de novembro de 1827. Em 31 de janeiro de 1828 tomou posse por procuração e fez sua entrada solene na catedral de Salvador, em 26 de novembro de 1828.

Foi deputado pelo Pará e pela Bahia, tendo presidido a Câmara em 1828 e 1829. Recebeu de D. Pedro I o título de pregador da Capela Imperial e a grande dignitária da Imperial Ordem da Rosa e de D. Pedro II a grã-cruz da Imperial Ordem de Cristo.

Em 1841, como único arcebispo do Brasil à época (a província eclesiástica de S. Salvador da Bahia abrangia todo o território Brasileiro, e todas as demais dioceses, inclusive a do Rio de Janeiro, eram sufragâneas da arquidiocese metropolitana de Salvador), presidiu a solenidade de sagração de D. Pedro II, Imperador do Brasil, e dele recebeu a Grã-Cruz da Imperial Ordem de Cristo. Recebeu o título de Conde de Santa Cruz, por decreto imperial de 2 de dezembro de 1858. Em 14 de março de 1860 foi nomeado Marquês de Santa Cruz.

Dom Romualdo pertenceu ao grupo dos bispos ultramontanos ou reformadores, como Dom Antônio Ferreira Viçoso, de Mariana Dom Antônio Joaquim de Melo, de São Paulo, Dom Antônio de Macedo Costa, do Pará, e Dom Vital de Oliveira, de Pernambuco.

Foi sócio da Academia de Munique, do Instituto da África em Paris; do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, Sociedade Real dos Antiquários do Norte e outras sociedades de ciências e letras.

Correspondeu-se com Carl Friedrich Philipp von Martius e Johann Baptiste von Spix após manter contato pessoal quando da viagem destes à Amazônia. Ao regressarem à Europa, os naturalistas lhe enviaram de lá o diploma de sócio da Real Academia das Ciências de Munique.

Sucessãoeditar | editar código-fonte

Dom Romualdo foi o 16º Arcebispo da Bahia, sucedeu a Dom Frei Vicente da Soledade e Castro, OSB e teve como sucessor Dom Manuel Joaquim da Silveira.

Homenagenseditar | editar código-fonte

Em Cametá há uma escola com seu nome Grupo Escolar Dom Romualdo de Seixas que é o mais antigo da cidade. Uma das ruas do Bairro do Cambuci em São Paulo tem o nome de Rua Dom Romualdo de Seixas.

Bibliografiaeditar | editar código-fonte

  • BAENA, Antônio Ladislau Monteiro (1782-1850). Compêndio das eras da Província do Pará. Belém: Universidade Federal do Pará, 1969. 395 p.
  • BLAKE, Augusto Victorino Alves Sacramento. Diccionario Bibliographico Brazileiro. Rio de Janeiro, 1883-1902. 7v.
  • COUTINHO, Afrânio; SOUSA, J. Galante de (dir.). Enciclopédia de literatura brasileira. 2. ed. rev., ampl, atual. e il. Sob a coordenação de Graça Coutinho e Rita Moutinho. São Paulo: Global; Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional e Academia Brasileira de Letras, 2001
  • GUIA histórico e catálogo da Arquidiocese de Belém. Belém, 1982. 45 p.
  • RAMOS, Alberto Gaudêncio. Cronologia eclesiástica do Pará. Belém: Falângola, 1985. 305 p.
  • SILVA, Cândido da Costa e; AZZI, Riolando. Dois estudos sobre D. Romualdo Antônio de Seixas Arcebispo da Bahia. Salvador : CEB, UFBA, 1981. 38 p. (Centro de Estudos Baianos, 95).

Homônimos e similareseditar | editar código-fonte

  • Romualdo Antônio de Seixas, 2º (Rio de Janeiro, 1828 - 1882)
  • Romualdo Antônio de Seixas, 3º (Bahia, 1854 - 1880), médico
  • Romualdo Maria de Seixas Barroso (Bahia, 1845 - 1886), cônego
  • Romualdo de Sousa Coelho, (Cametá, 1762 - 1841), 8º bispo do Pará
  • Romualdo de Sousa Paes de Andrade (1827 - 1892), desembargador paraense

Ligações externaseditar | editar código-fonte

Precedido por
Vicente da Soledade e Castro
Brasão arquiepiscopal
Arcebispo de São Salvador da Bahia

1827 — 1860
Sucedido por
Manuel Joaquim da Silveira
Ícone de esboço Este artigo sobre Episcopado (bispos, arcebispos, cardeais) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.







Creative Commons License