Sílvio Heck

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde outubro de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Sílvio Heck
Nascimento 30 de outubro de 1905
Rio de Janeiro
Morte 5 de julho de 1988 (82 anos)
Rio de Janeiro
Nacionalidade  Brasileiro
Ocupação Militar

Sílvio Heck (Rio de Janeiro, 30 de outubro de 1905 — Rio de Janeiro, 5 de julho de 1988) foi um militar brasileiro.

Foi ministro da Marinha do Brasil, de 31 de janeiro a 8 de setembro de 1961. Ocupou a pasta durante o governo de Jânio Quadros e no primeiro governo interino de Ranieri Mazzilli. Juntamente com os outros comandantes militares, Odílio Denys e Gabriel Grün Moss, foi contrário à posse de João Goulart no episódio conhecido como Campanha da Legalidade.

Segundo informações contidas no livro "o soldado absoluto", do jornalista e pesquisador Wagner William, página 383, em 1961 o então Coronel Carlos Ramos de Alencar, que assumira a Chefia do Scifi, descobriu um contrabando de armas no qual Sílvio Heck estava envolvido. A fonte original dessa informação está contida no livro "Ministério do Silêncio", página 113, de autoria do jornalista Lucas Figueiredo, que pesquisou a história do serviço secreto no Brasil.

Bibliografiaeditar | editar código-fonte


Precedido por
Jorge do Paço Matoso Maia
Ministro da Marinha do Brasil
1961
Sucedido por
Ângelo Nolasco de Almeida


Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.







Creative Commons License