Santiago Casares Quiroga

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Santiago Casares Quiroga
Presidente do governo da Flag of the Second Spanish Republic.svg Espanha
Mandato 1936 a 1936
Antecessor(a) Manuel Azaña Díaz
Sucessor(a) José Giral
Vida
Nascimento 1884
Morte 1950
Paris
linkWP:PPO#Espanha

Santiago Casares Quiroga (Corunha, 1884Paris, 1950) foi um político galeguista e advogado espanhol. Ocupou o lugar de presidente do governo de Espanha de 1936 a 1936.

Líder e fundador da Organización Republicana Gallega Autónoma (ORGA), participou no Pacto de São Sebastião (1930), em representação da Federación Republicana Gallega. Em Dezembro desse ano foi enviado a Jaca como delegado do comitê revolucionário republicano na clandestinidade, para evitar a sublevação que preparavam um grupo de militares republicanos. Não chegou a tempo, pelo qual a sublevação teve lugar, sem sucesso nenhum. Como consequência, foi encarcerado.

Com a chegada da república foi nomeado Ministro da Marinha no governo provisório e depois Ministro da Governação. Elegido deputado pelas Cortes Constituintes pela ORGA, continuou sendo Ministro da Governação durante o governo socialista-republicano presidido por Manuel Azaña.

Elegido deputado novamente em 1933, e em 1934 (a ORGA passou a chamar-se Partido Republicano Gallego) une seu partido com o de Azaña e outras forças para criar a Izquierda Republicana, partido que se integraria na Frente Popular. Após as eleições de 1936 foi nomeado Ministro de Obras Públicas. Após Azaña aceder à presidência da República, Casares Quiroga foi nomeado Presidente do Governo e Ministro da Guerra. Como presidente, organizou o referendo sobre o Estatuto de Autonomia da Galiza de 1936 , o terceiro que se apresentava depois dos de Catalunha e do País Basco, o qual é aprovado a 28 de Junho do mesmo ano.

Seguia sendo presidente do governo quando ocorreu a sublevação militar de 18 de Julho de 1936, a qual ocasionaria a Guerra Civil Espanhola. Afirmou-se tradicionalmente que ele recusara entregar as armas às organizações de trabalhadores, pelo qual demitira e fora substituído por Diego Martínez Barrio de forma interina e por José Giral definitivamente. Porém, as memórias de Manuel Portela Valladares (inéditas até 1972) e as da sua filha María Casares, coincidem em afirmar o contrário: foi o presidente da República, Manuel Azaña, que cessou a Casares a 18 de Julho de 1936 porque este último queria entregar armas ao povo.

Não ocupou nenhum cargo mais durante a Guerra Civil, marchando a França antes da sua finalização. Morreu no exílio em 1950.

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

Ver tambémeditar | editar código-fonte

Precedido por
Manuel Azaña Díaz
Presidentes do governo de Espanha
1936 - 1936
Sucedido por
José Giral







Creative Commons License