Checoslováquia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Tchecoslováquia)
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde maio de 2010).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Československo
Checoslováquia/
Tchecoslováquia
Flag of Austria-Hungary (1869-1918).svg
1918 – 1992 Flag of the Czech Republic.svg
 
Flag of Slovakia.svg
 
Flag of Ukrainian SSR (1937-1949).svg
Flag Brasão
Bandeira Brasão de Armas (1990 - 1992)
Lema nacional
Pravda vítězí (checo)
Veritas Vincit (latim) (19891992)
"A verdade prevalece"
Hino nacional
Kde domov můj + Nad Tatrou sa blýska
Localização de Checoslováquia/Tchecoslováquia
Checoslováquia após e antes da II Guerra Mundial
Continente Europa
Região Leste Europeu
Capital Praga
Língua oficial checo e eslovaco
Governo República
Presidente
 • 1918 - 1935 Tomáš G. Masaryk (primeiro)
 • 1989 - 1992 Václav Havel (último)
Primeiro-ministro
 • 1918 - 1919 Karel Kramář (primeiro)
 • 1992 Jan Stráský (último)
História
 • 28 de outubro de 1918 Independência do Império Austro-Húngaro
 • 15 de março de 1939 Ocupação Alemã (II Guerra Mundial)
 • 8 de maio de 1945 Desocupação Alemã
 • 31 de dezembro de 1992 Dissolução da Tchecoslováquia
Área
 • 1921 140 446 km2
 • 1993 127 900 km2
População
 • 1921 est. 13 607 385 
     Dens. pop. 96,9/km²
 • 1993 est. 15 600 000 
     Dens. pop. 122/km²
Moeda coroa checoslovaca (Kčs) = 100 halers

A Checoslováquia (no Brasil também se usa Tchecoslováquia) (em checo Československo e em eslovaco Česko-Slovensko) foi um Estado que existiu na Europa Central entre 1918 e 1992 (com a excepção do período da Segunda Guerra Mundial, ver Acordo de Munique).

Seu primeiro presidente foi Tomás Masaryk. Em 1989, a Revolução de Veludo permitiu a redemocratização do país; em 1993, os dois entes federados da Checoslováquia - a República Checa e a Eslováquia - decidiram dissolver a federação e declararam suas respectivas independências. Este derradeiro capítulo da história do país ficou conhecido como Separação ou Divórcio de Veludo, devido ao seu caráter pacífico.

Históriaeditar | editar código-fonte

A Checoslováquia em 1928.

Criada dos escombros do Império Austro-Húngaro pelo tratado de Saint-Germain-en-Laye, a Checoslováquia reuniu num mesmo Estado duas nações de língua similar, os checos e os eslovacos (além de algumas outras minorias étnicas), com capital em Praga. Seu território correspondia às actuais República Checa e Eslováquia, bem como, até 1945, a Rutênia.

A convivência entre os dois povos nem sempre era tranquila; os eslovacos se ressentiam da preeminência checa. Uma primeira partição ocorreu durante a Segunda Guerra Mundial, quando nacionalistas eslovacos aproveitaram a desagregação do país após os Acordos de Munique de 1938 para proclamar um Estado independente, chefiado pelo padre Jozef Tiso, simpático à Alemanha nazista.

A Checoslováquia em 1969.

Após a guerra, o país foi reunificado. Todos os alemães étnicos foram mortos ou expulsos e a Rutênia foi cedida à União Soviética. Em seguida ao Golpe de Praga, de 1948, os comunistas tomaram o poder e a Checoslováquia foi o último Estado europeu a passar para o lado soviético da "Cortina de Ferro". Uma tímida liberalização em 1968, a chamada Primavera de Praga, terminou com uma intervenção das forças do Pacto de Varsóvia que manteria o país fechado pelos vinte anos seguintes.

Aproveitando-se da política de tolerância da URSS durante o governo de Gorbatchev, o país abandonou o comunismo e recobrou sua liberdade em 1989, com a Revolução de Veludo, sob a liderança do dramaturgo e dissidente Václav Havel. Este, porém, não lograria impedir que susceptibilidades nacionais, encorajadas por dirigentes políticos populistas, causassem a separação amigável da República Checa e da Eslováquia em 1993, extinguindo-se a Checoslováquia, na chamada Separação ou Divórcio de Veludo.

Em 2004, ambas as repúblicas entraram para a União Europeia (UE).

Evolução políticaeditar | editar código-fonte

A Checoslováquia adotou as seguintes constituições ao longo de sua história (1918-1992);

  • Constituição temporária de 14 de Novembro de 1918: criava um Estado democrático, com o nome oficial de República Checoslovaca;
  • Constituição de 1920: democrática, permaneceu em vigor, com emendas, até 1948;
  • Constituição de 1948: instituiu um Estado comunista, mantendo a denominação República Checoslovaca;
  • Constituição de 1960: manteve o Estado comunista (até 1989); foi emendada em 1968 (para tornar a Checoslováquia um Estado federal), 1989 (para abolir o papel institucional do Partido Comunista) e diversas vezes entre 1990 e 1992 (alteração do nome, incorporação de uma declaração de direitos humanos). Entre 1960 e 1990, o Estado chamou-se República Socialista Checoslovaca; entre 1990 e 1992, República Federativa Checa e Eslovaca.

População e composição étnicaeditar | editar código-fonte

Em 1991, a população checoslovaca totalizava 15,6 milhões de habitantes, dos quais 54,1% de checos, 31% de eslovacos, 8,7% de morávios, 3,8% de húngaros, 0,7% de ciganos, 0,3% de silesianos e o restante distribuído entre rutenos, ucranianos, alemães, polacos e judeus.

A composição étnica em 1991 diferia da encontrada no início da república, quando ainda havia um grande contingente de alemães nos Sudetos (expulsos após a Segunda Guerra Mundial) e o país ainda possuía a Rutênia Subcarpática (cedida à URSS em 1945).

Ver tambémeditar | editar código-fonte

Linha do tempoeditar | editar código-fonte








Creative Commons License