Universidade Católica Portuguesa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde fevereiro de 2012).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Universidade Católica Portuguesa
UCP
Fundação 1967
Tipo de instituição Privado1
Orçamento anual (dados não disponíveis)
Valor da propina (Licenciatura - valor por crédito varia conforme cada curso de licenciatura)
Mestrado - 4000€ anualmente
Funcionários 477 (em 2003)
Docentes cerca de 1000
Estudantes cerca de 11200
Graduandos (dados não disponíveis)
Pós-graduandos (dados não disponíveis)
Reitor(a) Maria da Glória Garcia
Localização Lisboa (sede), Braga, Porto, Beiras
Página oficial http://www.ucp.pt/

A Universidade Católica Portuguesa foi criada em Braga em 1967. Atualmente tem centros regionais em Braga, Lisboa, Porto e Viseu. A sua reitora é Maria da Glória Garcia. É uma das instituições de ensino superior mais prestigiadas em Portugal2 .

Históriaeditar | editar código-fonte

A Universidade Católica Portuguesa marca a continuidade da presença secular da Companhia de Jesus no campo universitário. Os Jesuítas têm sido, desde o século XVI, criadores de cultura e promotores do desenvolvimento das sociedades em que se inserem. Fazem-no numa atitude de anúncio do Evangelho de Jesus Cristo e de promoção da justiça.

São passados cinco séculos e meio sobre a aprovação da Companhia de Jesus, fundada por Santo Inácio de Loyola. Os primeiros Jesuítas que chegaram a Portugal, em 1540, foram Simão Rodrigues e São Francisco Xavier. Logo nos primeiros anos, iniciaram aulas públicas no Coleginho de Santo Antão, em Lisboa. Ali se dedicaram à formação humana e cristã da juventude portuguesa. Em 1543, receberam de D. João III (1521-1557) uma casa em Coimbra destinada aos estudos dos jovens Jesuítas e, pouco depois, foi-lhes entregue pelo mesmo rei o Colégio das Artes. Em 1559, foi-lhes oferecida a Universidade de Évora pelo Cardeal D. Henrique, o mesmo que, ainda Arcebispo de Braga, tentara construir para eles um colégio. Mas foi o célebre Dom Frei Bartolomeu dos Mártires que, em 1563, lhes "fundou" o Colégio de S. Paulo em Braga. Braga entra, assim, dentro da tradição dos Colégios dirigidos pelos Jesuítas portugueses.

Quando os jesuítas foram expulsos de Portugal, em 1759, dirigiam vinte e oito colégios de ensino secundário em Portugal e a Universidade de Évora.

O Colégio de S. Paulo, em Braga, teve como primeiro Reitor o Beato Inácio de Azevedo. Durante 196 anos, foi o Colégio de S. Paulo o principal centro da educação da juventude bracarense. Houve anos em que estiveram matriculados mais de dois mil alunos. Os estudos atingiam alto nível, chegando a ser pedida a colação de graus. Adquiriu o privilégio de traje e actos académicos, com certas regalias ou usos do foro universitário.

Os Jesuítas voltaram a Braga em 1875. Dessa vez, dedicaram-se mais ao apostolado do que ao ensino. Mas, quando regressaram a Braga em 1934, depois da expulsão de 1910, estabeleceram na Rua de S. Barnabé o Instituto Beato Miguel de Carvalho para o estudo da Filosofia. Em 1942, esses estudos são declarados pelo Ministério da Educação como "Curso Superior de Ciências Filosóficas". Em 1947, o Instituto é elevado a Faculdade Pontifícia.

Faculdade de Filosofia em Braga.

Em 1967, esta Faculdade é declarada, pelo decreto "Lusitanorum nobilissima gens", de 13 de Outubro de 1967, Faculdade de Filosofia da Universidade Católica Portuguesa. Foi a primeira Faculdade da nova Universidade Católica Portuguesa que, em 1968, prosseguiu a sua expansão com a Faculdade de Teologia, em Lisboa.

A Faculdade de Filosofia oferece, actualmente, oito cursos de licenciatura: Filosofia e Humanidades; Filosofia; Humanidades; Filosofia e Desenvolvimento da Empresa; Estudos Artísticos e Culturais; Psicologia; Animação Sócio-Cultural (Curso de complemento de formação); e Ciências da Comunicação. Na área dos estudos pós-graduados, são de destacar os mestrados em várias áreas da Filosofia, das Humanidades e das Ciências da Educação, os cursos de pós-graduação em Ciências da Informação e da Documentação e em Técnicas de Comunicação e Relações Humanas e os programas de doutoramento.

Centro Regional de Lisboaeditar | editar código-fonte

Em Lisboa, estão presentes as Faculdades de Ciências Humanas, Ciências Económicas e Empresariais (Católica Lisbon School of Business & Economics), Direito, Teologia e Engenharia, assim como inúmeros institutos: Instituto de Estudos Europeus, Instituto de Educação, Instituto de Estudos Políticos, Instituto de Ciências da Saúde, Instituto Superior de Direito Canónico e Instituto de Estudos Orientais.

Centro Regional do Portoeditar | editar código-fonte

Campus da Asprela no Porto

O Centro Regional do Porto da Universidade Católica Portuguesa possui dois pólos, na Foz e na Asprela, integrando faculdades dedicadas às seguintes áreas do conhecimento3 :

  1. Artes
  2. Bioética
  3. Biotecnologia
  4. Business School
  5. Ciências da Saúde
  6. Direito
  7. Economia e Gestão
  8. Educação e Psicologia
  9. Teologia

Ligações externaseditar | editar código-fonte

Tuna da Universidade Católica Portuguesa.

Notas

  1. Quanto à natureza jurídica da Universidade Católica Portuguesa, cf. o parecer do Conselho Consultivo da Procuradoria-Geral da República Portuguesa emitido no processo n.º 65/95, publicado na 2.ª série do Diário da República de 29 de Agosto de 1996, pp. 12156 a 12164.
  2. A Universidade Católica foi distinguida como a "Marca que Marca" na categoria de Universidades e outros Institutos de Ensino Superior, no âmbito das últimas edições (2012 e 2013) do estudo nacional de notoriedade da QSP - Consultoria de Marketing para o Guia Marcas que Marcam
  3. Centro Regional do Porto. Página visitada em 10 de Fevereiro de 2014.







Creative Commons License